Viver dá mais um passo para resolver problemas operacionais

Joana Kurtz
null
1

Crédito: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

A incorporadora e construtora Viver, que está em recuperação judicial, caminha para conseguir a liberação da hipoteca de dois imóveis da Vila da Serra Empreendimentos Imobiliários, que é detida pela incorporadora.

A expectativa é de uma solução da terceira obra, em um total de quatro, que estava paralisada no início do processo de recuperação judicial.

“Esse é mais um passo importante da companhia no sentido de resolver os problemas operacionais que culminaram no ajuizamento da recuperação judicial”, diz a Viver, em comunicado ao mercado.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

Para tanto, a Viver assinou, em 27 de dezembro, o instrumento particular de reestruturação com a Associação dos Adquirentes das Unidades Autônomas do Empreendimento Alto Belvedere, a Comissão de Representantes dos Adquirentes das Unidades Autônomas do Empreendimento Alto Belvedere, a Inpar Projeto Residencial Nova Lima SPE, controlada pela Viver, e outras.

O objetivo é estabelecer os principais termos e condições da aquisição da SPE pela associação, para viabilizar a conclusão do empreendimento imobiliário situado em Nova Lima – MG, chamado Altos de Belvedere, e a integral liberação da Viver e da SPE dos passivos de natureza consumerista relacionados ao projeto imobiliário; bem como as condições e responsabilidades pelo pagamento dos demais passivos relacionados a ele.

O instrumento está em linha com a decisão tomada pelos adquirentes das unidades autônomas do empreendimento Alto Belvedere em 21 de dezembro de 2019, que foi dar continuidade às obras do projeto imobiliário.

Ele está sujeito a determinadas condições precedentes, como a aprovação da transação pelo conselho de administração da companhia; a obtenção das autorizações aplicáveis do juízo da recuperação judicial da companhia; a aprovação da transação pelos associados da associação e pelos adquirentes; e a realização de auditoria para confirmação das condições materiais previstas na transação no prazo 45 dias.