Viveo, distribuidora de produtos médicos, protocola pedido de IPO

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

A distribuidora de produtos médicos Viveo protocolou pedido de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) junto à CVM.

A oferta contará com oferta primária e secundária de ações. Conforme o prospecto, a Viveo pretende utilizar os recursos líquidos provenientes da oferta primária para a expansão orgânica e inorgânica da empresa.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Os coordenadores da oferta são JPMorgan, Itaú BBA, BTG Pactual (BPAC11), Bradesco BBI, Bank of America e Safra.

Sobre a Viveo

Viveo é o nome fantasia da holding CM Hospitalar, que tem como principais sócios a família de Edson Godoy Bueno e de Carlos Eduardo Mafra Terra, e que é dona de marcas como Cremer, de produto cirúrgicos, e Dasa (DASA3), de laboratórios.

A Viveo é um ecossistema de produtos e serviços para o setor de saúde. De acordo com o prospecto, a empresa opera em um ambiente altamente complexo e ainda com muitas ineficiências.

A formação do ecossistema Viveo teve origem na Mafra Hospitalar, que em 2016 já era líder, considerando sua
receita bruta, na distribuição de materiais médicos/hospitalares e medicamentos no Brasil, atendendo hospitais,
clínicas e laboratórios pelo país.

A partir de 2017, a companhia tomou a decisão estratégica de expansão de seus negócios em diversas direções. A
Viveo mantém tradição e pioneirismo na distribuição de materiais médicos/hospitalares e medicamentos.

A empresa acredita ser uma das únicas empresas do setor a investir em frota própria de caminhões.

Lucratividade

Nos últimos 3 anos (2018-2020), a Viveo apresentou um CAGR (taxa de crescimento anual composta) de receita operacional líquida de 29,3% e de Ebitda Ajustado de 33,9%.

De acordo com o prospecto, esse crescimento inclui não somente o crescimento orgânico da companhia, mas
também sua expansão via aquisições.

Ao analisar somente o crescimento orgânico da empresa no período (2018-2020), nota-se um crescimento de receita operacional líquida de 15,3% e 23,9% de crescimento do Ebitda Ajustado.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3