Vivara (VIVA3) registra queda de 34,8% no lucro no 1TRI20, para R$ 19 mi

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação/Vivara

A Vivara (VIVA3) divulgou, nesta quinta-feira (14), seus resultados do primeiro trimestre de 2020. O lucro líquido totalizou R$ 19 milhões, uma redução de 34,8% em comparação com igual período de 2019.

De acordo com a companhia, o resultado foi negativamente impactado pelo desempenho operacional do período, e, em parte, neutralizado pelo maior nível de rendimento das aplicações financeiras e imposto diferido.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 29,8 milhões, uma queda de 23,7%.

A margem Ebtida ajustado atingiu 14,4% no período, baixa de 3,3 pontos percentuais.

A companhia atribui o resultado ao “fechamento das lojas no final de março e a pressão de despesas operacionais, que não reduziram na mesma proporção e volume que a receita do período”.

Vendas recuam mais de 9%

As vendas mesmas lojas na rede física tiveram redução de 10% no período, ante um avanço de 9,4% no mesmo período de 2019.

Já as vendas mesmas lojas na rede física e e-commerce caíram 7,4%, contra um aumento de 9,5% no primeiro trimestre de 2019.

A geração de caixa da Vivara atingiu R$ 18,7 milhões, um aumento de 175,8%.

Segundo a empresa, o resultado foi em função da alocação de capital de giro, pela mudança na politica de antecipação de recebíveis, a partir de setembro de 2019, efeitos parcialmente compensados pelo aumento no Capex no período.

Receita cai 6,4%

A receita líquida da Vivara alcançou a cifra de R$ 206,2 milhões no primeiro trimestre de 2020, uma diminuição de 6,4%.

O lucro bruto totalizou R$ 137,1 milhões, uma queda de 8%.

A margem bruta foi de 66,5% no período, uma retração de 1,1 ponto percentual.

As despesas operacionais somaram R$ 109,9 milhões no trimestre, uma elevação de 9,5%.

Segundo a Vivara, o aumento das despesas foi impulsionado pelo aumento das despesas com pessoal, relacionado ao aumento de quadro administrativo,para reforço de áreas e estrutura de governança corporativa e serviços de terceiros voltados para implantação da estratégia de longo prazo.

Investimentos

Os investimentos da Vivara no trimestre totalizaram R$ 14,2 milhões, 240,1% maior que os investimentos do mesmo período do ano anterior.

Os aportes foram destinados principalmente a inauguração de novas lojas, evoluções no parque industrial,com  aquisição de maquinário e iniciativas digitais com base na estratégia de omnicanalidade.

No trimestre, a Vivara inaugurou 12 novas operações, sendo 10 lojas Vivara e 2 lojas Life, e encerrou as atividades de 6 quiosques, que foram convertidos em lojas, encerrando o período com 259 pontos de vendas, dos quais 201 são lojas Vivara, 8 lojas Life e 50 quiosques.

Caixa

A Vivara encerrou o primeiro trimestre com um caixa líquido de R$ 173,8 milhões.

A alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida / Ebtida ajustado, foi de -0,7 vez no final de março, como reflexo da geração de caixa operacional, bem como pela preservação dos recursos do IPO.

Fonte: Vivara

Perspectivas

No curto prazo, a Vivara suspendeu compras de insumos, reduzindo o impacto do aumento recente dos custos de matéria-prima.

Enquanto para o médio e longo prazo, a companhia implementou alternativas para reduzir a necessidade de compra de ouro.

Para isso, usará estoque de matéria prima disponível do estoque da companhia, reprocessamento de itens de giro lento, através do derretimento das peças e ajuste de mix da categoria de joias, com desenvolvimento de produtos mais leves e faixa de preços mais aderente.

Para 2020, a Vivara reduziu seu plano de expansão de 50 novas lojas para 21, sendo 12 já inauguradas e mais 9 em obras.

A companhia ainda informou que segue atenta a oportunidades que possam surgir com aumento de vacância em shoppings maduros, bem como para melhores negociações em outros shoppings já mapeados.

Veja os principais destaques do primeiro trimestre:

Fonte: Vivara