Vídeo divulgado por jornal seria prova de que míssil iraniano abateu Boeing

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Um vídeo postado nesta quinta (9) pelo site do jornal New York Times seria a evidência de que um míssil atingiu o Boeing da Ukranian Arlines na última quarta. O avião caiu em local próximo ao aeroporto de Teerã, matando as 176 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes.

As imagens mostram um clarão atingindo o avião ucraniano. A aeronave não explodiu. O Boeing ainda voou por alguns minutos, mesmo em chamas, enquanto tentava retornar em direção ao aeroporto, mas acabou perdendo o controle e caindo em Parand, subúrbio de Teerã.

Veja o vídeo abaixo:

 

O vídeo, publicado no site do New York Times e compartilhado no YouTube, foi divulgado pelos principais portais e sites do mundo no mesmo dia em que o premiê canadense Justin Trudeau afirmou ter evidências de que o avião ucraniano foi abatido por um míssil lançado pelo Irã.

Teerã nega que o míssil tenha sido lançado pelas forças armadas do país.

Segundo o jornal, uma fonte, chamada Nariman Gharib, foi quem divulgou as imagens e as entregou ao New York Times.

Imagens de satélite

Imagens de um satélite espião indicam que o Boeing 737-800 da Ukranian Airlines que caiu logo após decolar do Aeroporto de Teerã, na manhã de quarta-feira, pode ter sido abatido por um míssil iraniano, informa a NBC News. Todas as 176 pessoas a bordo morreram.

Outros relatos também corroboram esta versão, ao dizer que o 737-800 da Ukranian Airlines foi derrubado por um míssil que os iranianos dispararam por engano perto de Teerã.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira não acreditar que o 737 tenha caído por falhas mecânicas. O Irã recolheu as caixas-pretas e se recusou a permitir que elas fossem enviadas para a Ucrânia ou para os EUA, onde fica a sede da Boeing.

Falha mecânica

Inicialmente, funcionários da aeronáutica do Irã disseram que o avião caiu por causa de um problema técnico. A maioria do 176 passageiros eram canadenses e iranianos. Alguns eram ucranianos e suecos.

A agência de aviação civil do Irã informou que o avião partiu do Aeroporto Imã Khomeini às 6h13 da hora local, com destino a Kiev, capital da Ucrânia.

Cinco minutos após a decolagem, os pilotos perderam o contato com a torre de controle do aeroporto. Especialistas dizem que as investigações do acidente podem levar um ano.

O Irã não aceita investigadores da Boeing no país. O presidente da Ucrânia,  Volodimir Zelensky, prometeu descobrir a verdade sobre o acidente e enviou investigadores a Teerã.

As ações da Boeing, que ontem caíram, subiram nesta quinta-feira após funcionários americanos terem dito que o 737 pode ter sido derrubado por um míssil.