Via (VVAR3) prevê atingir fatia de ao menos 20% do e-commerce em 2025

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução: LinkedIn-Via

A Via (VVAR3) prevê um aumento de market share para 2025 no e-commerce. A empresa calcula atingir uma fatia de 20% para daqui a quatro anos com base em três fatores principais. O dado foi divulgado nesta segunda-feira (26), mesmo dia em que a Via Varejo mudou seu nome e sua marca.

Pelos cálculos da empresa, o que possibilitará o ganho de espaço são: mais visitas ao site; ampliação da base de clientes e da) taxa de conversão nos sites de e-commerce da Via.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

De acordo com matéria da Compre e Confie, a companhia espera que as taxas de vendem cresçam acima do mercado. Esta já foi uma tendência em 2020. No ano passado, a companhia superou o crescimento do mercado online em cerca de 2 vezes.

Via (VVAR3): mercado online deve atingir R$ 500 bilhões em vendas

Em fato relevante divulgado nesta segunda-feira (26), a Via estimou que o mercado online deve atingir R$ 500 bilhões em vendas em 2025. No mesmo ano, o mercado de varejo como um todo, deve alcançar R$ 2,6 trilhões em vendas.

Com relação à sua base de clientes, a Via busca ampliar de 22 milhões para 44 milhões. Diante disto, a empresa calcula que seu Gross Merchandise Volume (GMV) de vendas seja de 2/3 para canais online e 1/3 para canais offline.

Os canais offline incluem as lojas físicas e tradicionais. Inclui tanto aquelas situadas em estabelecimentos de rua quanto em shopping centers.

Volume total de pagamentos

Além dos aumentos no meio digital, a Via prevê também uma ampliação no volume total de pagamentos (TPV, na sigla em inglês). Em março de 2021, o TPV do banQi deve alcançar R$ 400 milhões.

Como espera-se uma elevação nos meios de venda online, a companhia calcula que esse TPV cresça 20 vezes para 2025.

Já a carteira de crédito deve crescer sete vezes, quando comparada com ao valor reportado no fim de 2020. Deste volume, 50% serão provenientes das lojas físicas, por meio do Crédito Direto ao Consumidor (CDC); 35% do CDC das vendas online; e 15% por meio das operações de crédito realizadas através do banQi.

Via Varejo agora é somente Via

A Via Varejo anunciou ainda a mudança em seu nome, passando a se chamar apenas Via (VVAR3).

A estratégia da companhia é reforçar sua posição online com seu novo marketplace, e ampliar o alcance para além das lojas físicas.

A mudança vem acompanhada com o rejuvenescimento da marca Casas Bahia e a mudança na Ponto Frio, que também mudou de nome e marca. Esta loja passou a se chamar Ponto. O logo da nova companhia inclui a mensagem “Imagine caminhos”, em uma alusão à nova estratégia da empresa.

“Já estamos olhando para o futuro. A empresa de hoje não é a mesma de ontem e também não será a Via de amanhã. Esses movimentos pelos quais estamos passando reforçam todo esse comprometimento e trabalho”, disse Roberto Fulcherberguer, CEO da empresa.

O executivo disse ainda que a mudança de modelo da companhia será acompanhada por uma rentabilidade sustentável. “Estaremos mais próximos do dia a dia dos consumidores e o marketplace será fundamental”, ressaltou.

Via (VVAR3): lojas virtual em paralelo com lojas físicas

Diante da novo perfil da companhia, a loja busca crescer no digital. Mas pretende permanecer com as operações fortes no off-line. Helisson Lemos, Chief Digital Officer (CDO) da Via, ressaltou que o online tem todas as condições de trabalhar lado a lado com as lojas físicas.

De acordo com ele, a empresa continuará investindo pesado em lojas físicas. Até o fim do ano, está prevista a inauguração de uma mega loja em São Paulo e mais 130 pontos de venda em todo o país.

“Queremos ser o maior marketplace do país”, disse ele, durante a teleconferência Investor Day.

Entregas em 2021

Toda essa transformação da empresa inclui contratação de novos profissionais para atender ao online. Hoje conta com 1,8 mil profissionais de tecnologia e o plano é contratar mais 600. Também serão desenvolvidos quatro centros de treinamento no Brasil e nos Estados Unidos.

Além disso, a empresa irá atuar ao lado de startups. Essa atuação se dará dentro do programa Via Next. Esse programa se dará em investimentos em aceleração e incubação; M&A e parcerias estratégias. Uma startup na qual a empresa já investe é a I9XP, que conta com 150 profissionais para vendas em e-commerce.

Crédito para 25 milhões de consumidores

André Calabró, diretor executivo da Via, falou sobre a parte da crédito da companhia. Ele disse que a carteira da empresa reflete a realidade econômica dos consumidores. Por isso, a careira de crédito leva em conta uma renda média mensal de R$ 2 mil. Disse ainda que a companhia tem 14 milhões de clientes com crédito pré-aprovado e mais 3,3 milhões de clientes ativos.

Além disso, ressaltou que o crédito oferecido pelos canais da companhia estará disponível para 25 milhões de pessoas. Já levando em conta a operação online, por meio do banQi, banco de crédito da empresa.

Ele explicou que a partir de agora, o consumidor pode fazer o acompanhamento de seu crediário.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo