Via Varejo (VVAR3) fecha oferta em R$ 15 e capta R$ 4,455 bi

Robson Plate de Oliveira
Produtor de conteúdo e economista formado pela PUC-RS, com mestrado em gestão de negócios e especialização em Product Management of IOT pela Stanford University CA.
1

Crédito: Divulgação

A Via Varejo (VVAR3) captou R$ 4,455 bilhões com a oferta pública de ações aberta há duas semanas. A companhia fixou o preço do papel em R$ 15.

A oferta consistiu inicialmente na distribuição de 220 milhões ações no Brasil e no exterior, mas acabou sendo ampliada em mais 77 milhões em um lote adicional em razão da demanda, totalizando 297 milhões.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

De acordo com a Via Varejo, a metade do montante captado, R$ 2,227 bilhões, será para aumento do capital social da companhia; e a outra metade será destinada à reserva de capital. Os valores contemplam investimentos em tecnologia e logística, inovação e desenvolvimento e reforço de capital de giro.

As ações emitidas no âmbito da oferta restrita passarão a ser negociadas na B3 amanhã (17).

O valor da ação na oferta representa um desconto de 3,96% em relação à cotação da VVAR3 no fechamento de ontem, que foi de R$ 15,62.

Via Varejo performa melhor que Ibovespa

acoes-viarejo-min

Fonte TradingView

Prioridade

Os acionistas da companhia não tiveram direito de preferência na nova emissão, mas foi concedido direito de prioridade para subscrição das ações.

No entanto, esses investidores, de acordo com a companhia, não participaram do procedimento de bookbuilding e, portanto, não participaram do processo de determinação do preço por ação.

A operação foi coordenada pelo Bradesco BBI, BTG Pactual, Banco do Brasil, Bank  of  America  Merrill  Lynch,  Banco  Múltiplo, Santander, Safra e XP  Investimentos.

Balanço Via Varejo

A Via Varejo registrou lucro líquido de R$ 13 milhões no primeiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo de R$ 50 milhões, reportado no mesmo período em 2019.

A empresa afirmou que o lucro líquido estimado para este primeiro trimestre seria de R$ 100 milhões, não fosse o impacto da crise do novo coronavírus. A quarentena na maioria das capitais fechou lojas e diminuiu o volume de vendas nas lojas físicas, mas aumentou as do e-commerce.