Via Varejo (VVAR3): companhia aposta no digital para voltar ao topo

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.
1

Crédito: Roberto Fulcherberguer, CEO da Via Varejo.

A Via Varejo (VVAR3), holding que comanda a Casas Bahia e o Ponto Frio, quer retomar o primeiro lugar entre as varejistas brasileiras.

“Ganha o jogo quem se adaptar mais rápido”, disse Roberto Fulcherberguer, CEO da Via Varejo. A posição é, atualmente, ocupada pelo Magazine Luiza.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Para chegar lá, a companhia está investindo pesado em tecnologia. Esta semana a Via Varejo abriu vaga para a contratação de 300 programadores que atuarão em home office.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Os novos integrantes vão se unir aos 1.400 desenvolvedores que a companhia já tem. O “canhão” da empresa está apontado para o 3P: Processo de Preparação da Produção.

E os resultados já apareceram. “Dos R$ 7,3 bilhões oriundos do GMV, R$ 5,1 bilhões foram no online, ou seja, 70% da operação”, disse Fulcherberguer.

A fala do executivo diz respeito ao Gross Merchandise Volume, ou volume bruto de mercadorias.

“O Me Chama no Zap foi um sucesso absurdo e virou case no Facebook. O Me Chama no Zap já está na terceira geração”, frisou.

Fulcherberguer e os demais diretores da Via Varejo conversaram com analistas na manhã desta quinta-feira (13) por conta da teleconferência de resultados.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Roberto Fulcherberguer, CEO da Via Varejo.

VVAR3: transformação digital

De acordo com o CEO, a companhia conseguiu fazer com que os mais de 20 mil vendedores se tornassem agentes online e digital.

“A gente tá só começando nosso negócio de marketplace. Temos mais de 15 milhões de usuários ativos nos apps”, disse.

E acrescentou: “movimentamos quase R$ 1 bilhão de GMV no marketplace. E está só no começo!”

Segundo Fulcherberguer, 90% da decisão para concessão de crédito já é automatizada. Significa dizer que qualquer cliente que peça crédito é avaliado por inteligência artificial.

“Com todo respeito aos concorrentes, mas a Via vai voltar ao espaço que é dela”, declarou.

VVAR3: mais de cinco milhões de pedidos

O CEO informou também que somente as operações online da logística da rede processaram e entregaram mais de cinco milhões de pedidos.

“Conseguimos manter um estoque equilibrado apesar da volatilidade da indústria por conta da pandemia do novo coronavírus”, declarou.

Isso porque muitas fabricantes tiveram que parar a produção e colocar os funcionários em lay-off (congelamento de contratos) por conta das medidas de isolamento social.

Fulcherberguer disse ainda que a Via Varejo tinha projetado cerca de 200 mini hubbs, mas já está em 380 e deve chegar a 500 até o final deste ano.

Trata-se de um espaço dentro da loja que funciona como pequeno centro de distribuição. Estes não são acessíveis ao público e servem para armazenamento de itens leves e de pequenas dimensões, mas com grande giro, como eletrônicos e eletro portáteis.

“Tivemos um trimestre desafiador, onde 100% das lojas chegaram a ser fechadas”, disse.

E complementou: “a gente quer que a Via Varejo seja cada vez mais a via de compra de todos os brasileiros. Queremos nos relacionar com o consumidor da forma que eles quiserem.”

Atualmente, a rede já conta com 1017 lojas abertas, ou 95% das unidades.

VVAR3: lucro líquido

A Via Varejo (VVAR3) passou de um prejuízo de R$ 162 milhões no segundo trimestre de 2019 para um lucro líquido de R$ 65 milhões entre abril e junho deste ano.

A receita líquida da dona das Casas Bahia e do Ponto Frio, por sua vez, teve queda de 12,4%, passando de R$ 6 bilhões para R$ 5,2 bilhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 532 milhões no segundo trimestre de 2020, 71,7% superior ante os R$ 310 milhões registrados no segundo trimestre de 2019.

A companhia encerrou o trimestre com um volume bruto de vendas (GMV) nas operações de e-commerce de R$ 5,081 bilhões, 280% de alta na base de comparação anual.

O crescimento do 1P, ou venda direta, cresceu 311% no período em relação ao segundo trimestre de 2019.

Veja VVAR3 versus Ibov em seis meses:

Fonte: tradingview.

 

Aumente seus ganhos. Consulte nossa Planilha de Monitoramento de Carteira