Via Varejo (VVAR3): com 12 mi de usuários no app, grupo vira case digital

Osni Alves
Jornalista | osni.alves@euqueroinvestir.com
1

Crédito: Via Varejo (VVAR3): com 12 mi de usuários no app, grupo vira case no Facebook

A Via Varejo (VVAR3) conseguiu migrar rapidamente para o ambiente digital e hoje contempla 12,5 milhões de usuários ativos em seus aplicativos, o que a coloca como case do Facebook.

CEO da companhia, Roberto Fulcherberguer disse que “é possível fazer a maior transformação digital do varejo brasileiro em 10 meses”.

“Nós estamos sim otimistas por toda transformação que essa companhia conseguiu fazer, mas o jogo está longe de estar ganho”, declarou, em referência aos impactos do coronavírus.

Isso porque a empresa já vinha promovendo seu processo de digitalização muito antes da pandemia. Entretanto, a crise do coronavírus acelerou o desenvolvimento.

Na opinião do executivo, a Via Varejo correspondeu muito bem à necessidade iminente de novas formas de se fazer negócios.

“Nosso vendedor online virou case mundial do facebook e está ajudando a inserir milhares de consumidores no mundo online”, destacou.

Ele elencou pesquisa do próprio facebook, para quem os imigrantes digitais são pessoas que ainda não tem domínio de como fazer uma compra online.

“Conforme o levantamento, eram mais de 18 milhões de imigrantes digitais em meados de 2018. A Via Varejo está relacionada porque utiliza a rede social para incrementar suas vendas.

Segundo ele, a pesquisa “como fazer uma compra online” cresceu 190% no mês de março. Ou seja, milhares de pessoas que não tinham traquejo com esse tipo de operação de consumo recorreram ao google para, de alguma forma, manter o fluxo de compra.

“O programa “me chama no zap” responde por 20% da venda de maneira consistente e é apenas uma das funcionalidades do vendedor digital”, explicou.

E disse mais: “não existe mais conflito nesta empresa entre vendedor físico e online, pois nosso vendedor já é digital.”

A interatividade entre a rede e sua clientela tem sido tão produtiva que mesmo em meio a cenário de lockdown a companhia atingiu 70% de sua meta de vendas gerais.

Fulcherberguer falou com analistas por teleconferência na tarde desta quinta-feira (14). O balanço da companhia, divulgado ontem, mostra que a empresa reverteu prejuízo em lucro.

roberto-fulcherberguer

Via Varejo: crediário digital

De acordo com o executivo, são 85 milhões de clientes em sua base de dados, dos quais quatro milhões foram separados para utilizar o crediário digital.

Por meio desta plataforma eles poderão checar os três “P”, ou seja, produto, preço e parcelas (prazo). O crediário digital ainda está em fase de testes.

“Trata-se de uma vantagem sem precedentes para o momento de crise, principalmente pela tendência de os bancos reduzirem o crédito nesse período atípico”, disse.

Para Fulcherberguer, o crediário digital promoverá excepcional ganho de share. Significa dizer que a participação de mercado por parte da companhia será alavancada com a plataforma.

Via Varejo

Via Varejo: Móveis Bartira

Conforme o executivo, outra grande novidade da Via Varejo é o contrato de exportação do Móveis Bartira com os EUA.

“Fechamos contrato para fornecer móveis a construtoras norte-americanas com base na Flórida. Já fizemos a primeira remessa e agora estamos na produção da segunda”, disse.

Conforme ele, além desta negociação, já fechada, a companhia mantem tratativas com o mesmo mercado dos EUA para longo prazo.

“Caso ocorra, teremos forte alavancada nas vendas do Bartira”, frisou.

Via Varejo: ação pode dobrar de valor

Analistas do Credit Suisse dizem acreditar que as ações da Via Varejo possam dobrar de valor.

O banco estima que os papéis, que fecharam cotados a R$ 9,14 ontem, têm potencial para chegar ao valor de R$ 21 em um período de 12 meses.

A projeção, acompanhada de uma recomendação de compra, foi feita após a companhia divulgar os resultados.

Veja o desempenho da VVAR3 na Bolsa:

Fonte: tradingview.

TÁ E AÍ?

Para o BB Investimentos, os resultados referentes ao 1T20 da Via Varejo foram positivos.

Mesmo diante de um cenário muito desafiador por ocasião da pandemia da Covid-19 e consequente fechamento de lojas físicas a partir de meados de março, a companhia foi capaz de entregar margens maiores e avanços expressivos no canal online.

Dadas todas as iniciativas em andamento citadas pela companhia e algumas elencadas neste relatório, o BB diz acreditar que a Via Varejo está rapidamente encurtando o gap existente entre ela e os principais players do canal online.

Isso traz maior segurança quanto à sua capacidade de ser um grande omnicanal do varejo focado também em soluções digitais como meios de pagamento e super app.

Assim, o BB mantém recomendação Market Perform e preço-alvo de R$ 7,80.