Veto a propaganda partidária na TV e rádio é mantido pelo Congresso

Walter Niyama
Jornalista formado pela ESPM-SP, possui passagens pelo Diário do Centro do Mundo e já trabalhou na assessoria de imprensa da Secretária de Estado da Saúde de São Paulo. Também tem textos escritos para o site Torcedores. É idealizador do site de jornalismo Converge e colunista no Nerdssauros. É também autor de três romances publicados.

Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Na noite de terça-feira (3 de dezembro) o Congresso Nacional decidiu: irá manter o veto presidencial à recriação da propaganda partidária semestral na televisão e no rádio.

A votação aconteceu em uma sessão conjunta dos representantes. A Câmara derrubou o veto e o Senado acabou por mantê-lo.

Votação

No final, foram 277 votos dos deputados e 39 dos senadores pela derrubada do veto. O que ultrapassou o número mínimo na Câmara para a ação (257 votos). Porém, não o suficiente no Senado (41).

Contra o veto estiveram os partidos do “centrão”. A favor estiveram o Podemos, Rede, e o autor do destaque, o Novo. Partido conhecido por sua orientação em cortar ao máximo gastos públicos.

Para ser derrubado, a maioria deveria ser absoluta nas duas casas.

Antes do veto

Foi em 2017 que a propaganda partidária na TV e no rádio foi extinta. Nela, os partidos divulgavam semestralmente suas propagandas fora do período eleitoral.

Os partidos que foram contra a derrubada do veto alegam que com isso são economizados por volta de R$ 460 milhões por ano aos cofres públicos.