Verba de R$ 2,5 bi recuperados de corrupção é destinada para a Saúde

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo

Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A verba de R$ 2,5 bilhões, recuperados em operações de combate à corrupção, será destinada para a Saúde, determinou a Justiça. O montante é de pelo menos seis decisões judiciais que tiveram valores devolvidos aos cofres públicos, informou o Estadão.

E parte da verba já foi empregada para profissionais de saúde nos estados de Mato Grosso, Paraíba e Rio de Janeiro. Foram comprados, respectivamente, luvas e máscaras profissionais, respiradores pulmonares e testes sorológicos.

Mas o Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar mais R$ 51 milhões para o combate ao coronavírus. O dinheiro foi encontrado dentro de malas no bunker do ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB). O caso foi em julho de 2017, na Bahia, segundo o Estadão.

Fundo Eleitoral

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pretende reduzir despesas da Casa para o combate ao coronavírus. São cerca de R$ 150 milhões que deixarão de ser gastos com viagens de parlamentares.E também com horas extras de servidores, obras e reformas que ainda não começaram.

O fundo eleitoral ser usado para medidas contra o impacto da doença também é discutido entre os parlamentares. Todavia, não há consenso sobre qual seria o montante e como isso afetaria a campanha de 2020, disse a reportagem.

O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara Federal Cível de Brasília, bloqueou cerca de R$ 3 bilhões dos fundos eleitoral e partidário. Para que o valor seja destiado ao combate à pandemia. Mas por ter sido tomada por um juiz de primeira instância, essa decisão ainda pode ser revista em tribunais superiores.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Tribunal Regional Federal a suspensão da liminar, segundo o Estadão.