Vendas dos supermercados crescem 5,11 em janeiro, diz Abras

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: FIERN.org.br

Os supermercados venderam 5,11% mais em janeiro na comparação com janeiro de 2019, já descontada a inflação, de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) divulgado nesta segunda-feira (9). O resultado é o melhor para o mês de janeiro dos últimos nove anos.

Já na comparação com dezembro, houve queda de 19,92% nas vendas, o que já é esperado em razão do movimento maior nas festas de fim de ano. A entidade trabalha com uma projeção de aumento de vendas de 3,90% para 2020.

O presidente da Abras, João Sanzovo Neto, afirmou que o resultado de janeiro surpreendeu, porque o início do ano concentra o pagamento de diversas contas, como impostos, mensalidade e material escolar, o que retira recursos do consumo. Sanzovo avalia que o ano de 2020 ainda apresenta diversos desafios, mas a retomada deve ser menos lenta que no ano passado, principalmente se as reformas estruturantes forem aprovadas.

Preços

A cesta de 35 produtos cujos preços são monitorados pela Abras apresentou queda de 2,06% em janeiro na comparação com dezembro, passando de R$ 522,35 para R$ 511,58.  No acumulado dos 12 meses, o valor da cesta apresentou crescimento de 9,88%, foi de R$ 465,57 para R$ 511,58.

Os produtos que mais caíram foram carne traseiro (alcatra, filé mignon picanha, coxão mole, patinho, etc.), de -6,67%; cebola, -5,51%; farinha de mandioca, -5,14%; e carne dianteiro (acém, cupim, paleta, músculo, entre outras.) -2,45%. Os principais aumentos de preços foram da batata, 10,23%; tomate, 3,94%; sabão em pó, 2,56%; e queijo prato, 1,94%.