Copom, balanços, indicadores e política agitam semana

Rodrigo Petry
Editor-chefe, com 18 anos de atuação em veículos, como Estadão/Broadcast, InfoMoney, Capital Aberto e DCI; e na área de comunicação corporativa, consultoria e setor público; e-mail: rodrigo.petry@euqueroinvestir.com.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

Após o melhor mês de abril para a bolsa brasileira em onze anos e de recuperação nas bolsas internacionais, os mercados ingressam essa semana no místico mês de maio, junto com a reunião do Copom, safra de balanços e indicadores de peso.

Sell in May And Go Away” – ou, venda em maio e vá embora – é uma expressão cunhada por consequência de um padrão histórico do mercado acionário americano em que nos meses de verão (no hemisfério Norte) registra-se um pior desempenho quando comparado aos meses de inverno.

Este movimento na maior parte dos anos acaba sendo seguido pelo Ibovespa.

Segundo artigo de Mark Hulbert, para o MarketWatch, casualmente, no último grande crash dos mercados, em 2008, o movimento foi o contrário.

Do Halloween (31 de outubro), que marcou o início do inverno, até maio de 2009, o Dow Jones recuou 12,4%; mas, nos seis meses subsequentes, ganhou 18,9%. Essa recuperação, porém, foi uma exceção, pontua Hulbert.

Ainda de acordo com o artigo, desde 1896, o Dow Jones registrou ganhos médios de 4,1% nos verões em anos de eleições – no segundo semestre, o presidente Donald Trump concorre à reeleição. Essa é uma boa notícia.

No entanto, nos verões que se sucederam a invernos com perdas (o que acontece neste momento), o Dow perdeu em média 0,6% – o que pode ser um mal prenúncio.

maio-venda-min

Fonte: Reprodução site MarketWatch

Copom

Essa semana, na quarta-feira (6), o Comitê de Política Monetária (Copom) finaliza sua reunião e anuncia, após o fechamento dos mercados, a nova taxa Selic, atualmente em 3,75% – a menor da história.

Segundo o consenso de economistas consultados pela Bloomberg, o Copom deverá cortar a Selic em 0,5 ponto porcentual.

No entanto, a tendência é de que os cortes sigam até o final do ano, como precificado no último boletim Focus, quando o mercado estimou uma Selic em 3% até o final do ano.

Com a redução dos juros, o custo dos empréstimos fica menor, o que pode ajudar na recuperação da atividade, em meio à pandemia do Covid-19.

Balanços da semana

Outro destaque da semana é a sequência da divulgação dos balanços do primeiro trimestre.

Mais do que os resultados em si, a expectativa fica por conta das falas dos executivos durante as teleconferências, com as expectativas da pandemia no desempenho ao longo do ano.

Após o Bradesco reportar na última quinta-feira um lucro recorrente 39,8% menor, por conta do aumento das provisões para devedores duvidosos, os investidores vão ficar atentos às demais instituições financeiras de peso que divulgam seus resultados.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

A começar nesta segunda-feira (4), após o fechamento dos mercados, com o Itaú Unibanco. Já na quinta-feira (7) será a vez do Banco do Brasil.

Veja os principais balanços:

  • Segunda-feira: Gol, Porto Seguro, Klabin, BB Seguridade, Marcopolo e Tegma;
  • Terça-feira: Tim, Alpargatas, EDP e Iguatemi;
  • Quarta-feira: Vivo, Brasil Agro, BR Properties, Totvs, AES Tietê, CSN, Duratex, Ecorodovias, Engie, Gerdau, Metalúrgica Gerdau e Banco Pan;
  • Quinta-feira: Ambev, B2W, Lojas Americanas, Yduqs, Light, Natura, Qualicorp, Tenda, Tupy e Wiz;
  • Sexta-feira: MDias Branco e Hapvida.

Indicadores

Adicionalmente, indicadores nacionais e internacionais também vão movimentar o mercado.

Os índices de gerentes de compras (PMIs), que medem a atividade da indústria e de serviços, do Brasil, Zona do Euro, EUA e da China sairão essa semana.

Também serão conhecidos os dados de emprego nos EUA: ADP (quarta) e Payroll (sexta).

Por fim, no Brasil, sairão os dados de inflação, com o IPCA e IGP-DI na sexta-feira.

Vamos aos destaques:

  • Segunda-feira – Focus, Indústria CNI e Fenabrave (veículos) no Brasil; PMI e confiança do investidor da zona do Euro; e encomendas à indústria (C. Bureau) nos EUA;
  • Terça-feira: IPC-Fipe e produção industrial no Brasil; PMI e ISM nos Estados Unidos;
  • Quarta-feira: PMI e IC-Br no Brasil; vendas do varejo da zona do Euro; ADP emprego nos EUA; e PMI da China;
  • Quinta-feira: Anfavea (veículos) no Brasil; e pedidos de auxílio-desemprego e crédito aos Consumidor nos EUA;
  • Sexta-feira: IPCA (IBGE) e IGP-DI (FGV); e relatório de emprego (payroll) nos Estados Unidos.

Política

No entanto, um dos principais drives da bolsa brasileira será a política. No sábado, o ex-ministro da Justiça Sergio Moro depôs à Polícia Federal (PF) em Curitiba, em oitiva sigilosa.

Segundo publicado pela imprensa, Moro teria reiterado as acusações e entregue provas por escrito, além de áudio e vídeo.

Enquanto isso, o chamado “Centrão” tem se aproximado do presidente Jair Bolsonaro afoito por cargos no governo.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, porém, estes cargos viriam de posições ocupadas por militares, o que não vêm sendo bem visto pelos fardados.

Trata-se, portanto, de um claro movimento para formação de uma frente anti-impeachment.