CDB: O que é e como funciona esse investimento

Natalia Gómez
Editora, é jornalista especializada no mercado de investimentos há 17 anos. Formada pela PUC-SP, teve experiências em veículos como Agência Estado, Valor Econômico e Revista Você SA; e na área de comunicação corporativa e relações públicas para instituições financeiras.

Crédito: Reprodução / Pixabay

O CDB é um dos investimentos de renda fixa mais conhecidos pelos brasileiros. Caso você esteja considerando fazer uma aplicação em CDB, confira todos os detalhes de como funciona e quais são as vantagens e desvantagens desse tipo de investimento.

Primeiramente, CDB significa Certificado de Depósito Bancário.

Esse título é emitido por bancos. Na prática, é como se você estivesse emprestando seu dinheiro para o banco, em troca do recebimento de juros.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Como funciona?

No momento da aplicação, você fica sabendo de todas as condições do CDB.

As mais importantes são a taxa de juros e o prazo de vencimento.

A respeito da taxa de juros, é importante saber que ela pode ser prefixada ou pós-fixada. No caso da taxa prefixada, você sabe que receberá um porcentual de rendimento. Por exemplo, uma taxa de 8%.

Tudo sobre Investimentos em mais de 80 aulas GRATUITAS

Já os títulos pós-fixados variam junto com alguma outra taxa. As mais comuns são o CDI e a inflação (IPCA). Neste caso, você sabe que receberá uma porcentagem do rendimento dessas taxas.

Historicamente, os CDBs pós-fixados ao CDI eram bastante utilizados no Brasil. Isso porque a taxa de juros (Selic) era elevada, e o CDI é praticamente igual à Selic.

Hoje em dia, a Selic está nos níveis mais baixos da história. Por isso, os investimentos atrelados ao CDI estão menos atrativos. Para entender melhor o impacto da queda dos juros sobre a renda fixa, clique aqui.

Simule seus rendimentos de acordo com seu potencial de investimento.

Liquidez do investimento

Alguns CDBs também têm carência. Ou seja, determinam uma data a partir da qual ele pode ser resgatado.

Por exemplo, o CDB pode ter vencimento em três anos, mas carência de seis meses.

A liquidez da aplicação é algo muito importante de ser considerado. Muitas instituições liberam o resgate apenas no prazo de investimento.

Caso você possa ficar três anos sem precisar do recurso, vale a pena você investir em um CDB de prazo de resgate de três anos, mesmo que não tenha liquidez. Isso porque a taxa será mais atrativa.

Afinal, o banco terá mais tempo para trabalhar com o seu dinheiro.

Caso você acredite que precisará usar o dinheiro para uma emergência, é melhor aplicar em um CDB de liquidez diária. Ou seja, que pode ser resgatado todo dia. A desvantagem, neste caso, é que as taxas são mais baixas.

Os CDBs de liquidez diária também são uma boa pedida em momentos de muita turbulência e baixa visibilidade no mercado. Isso ocorreu, por exemplo, no início da crise de 2020.

Um fator que interfere na rentabilidade é o perfil do banco. Quando o CDB é emitido por um banco tradicional, a remuneração é mais baixa. Isso porque a solidez financeira dessas instituições traz menos riscos para os investidores.

Já os CDBs emitidos por bancos médios costumam oferecer retornos mais atrativos. Ao mesmo tempo, o risco envolvido é maior.

Riscos do CDB

Um dos grandes riscos envolvidos no investimento é o banco emissor quebrar e não honrar com o compromisso. No entanto, o investidor conta com uma vantagem, que é a garantia dada pelo Fundo Garantidor de Crédito. Esta proteção vai até o limite de R$ 250 mil por CPF.

Por essa razão, clientes com mais recursos preferem investir em CDBs de bancos variados, respeitando o limite de R$ 250 mil em cada instituição.

Tributação do investimento

A tributação dos CDBs é semelhante à maioria das aplicações de renda fixa.

Alíquota de 22,5%

Incide sobre rendimentos ocorridos até 180 dias depois da aplicação.

Alíquota de 20%

Incide sobre rendimentos ocorridos até 360 dias depois da aplicação.

Alíquota de 17,5%

Incide sobre rendimentos ocorridos até 720 dias depois da aplicação.

Alíquota de 15%

Incide sobre rendimentos ocorridos até 720 dias depois da aplicação.

Principais vantagens

Para resumir, as principais vantagens do CDB são a segurança e a possibilidade de liquidez diária. Além disso, a rentabilidade pode ser interessante, a depender dos fatores apontados acima.

Mas provavelmente uma das maiores vantagens do CDB seja a facilidade de aplicação, com uma grande variedade de emissores, prazos e taxas disponíveis.