Varejo cresce 1,9% em agosto, de acordo com o ICVA

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Crédito: infovarejo.com.br

As vendas no varejo no mês de agosto cresceram 1,9%, descontada a inflação, em comparação com o mesmo mês de 2020.

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) registrou alta de 16,0%.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Efeitos do abrandamento de medidas de isolamento e o aumento no índice de preços são fatores que contribuíram positivamente para os valores observados pelo ICVA.

Em compensação, o mês de agosto de 2021 teve um sábado, dia forte para o comércio, a menos e uma terça-feira, data em que a movimentação do comércio é menor, a mais que no mesmo mês de 2020.

Ajustando os efeitos de troca de dias, houve crescimento nominal de 16,6% e, descontando a inflação, de 2,4% no faturamento de agosto de 2021 frente a agosto de 2020.

“O faturamento do varejo está em crescimento contínuo nos últimos meses, mesmo que com um ritmo menor. No entanto, esse resultado não está associado apenas à retomada da atividade comercial em todo o país. Em termos nominais, o Varejo está 1,4% acima do patamar de 2019, porém, desconsiderando os efeitos inflacionários do período, ainda está 13,5% abaixo, indicando que ainda há espaço para continuar a retomada das vendas.”, afirma Pedro Lippi, Head de Inteligência da Cielo.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Varejo agosto 2021

Inflação tem alta de 9,6%

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo IBGE, apontou alta de 9,68% no acumulado dos últimos 12 meses, com alta de 0,87% em agosto.

Os reajustes no preço dos combustíveis foram as principais causas do aumento do índice.

Ao ponderar o IPCA pelos setores e pesos do ICVA, a inflação no varejo ampliado foi de 13,9%, acelerando em relação ao índice registrado no mês anterior.

Supermercados impulsionam aceleração

Descontada a inflação e com o ajuste de calendário, o macrossetor de Bens Não Duráveis sofreu aceleração na passagem mensal, enquanto Bens Duráveis e Semiduráveis e Serviços experimentaram desaceleração.

No macrossetor de Bens Não Duráveis, Supermercados e Hipermercados colaboraram para a aceleração.

No macrossetor de Bens Duráveis e Semiduráveis, o destaque para a desaceleração foi o segmento do Vestuário.

Já no macrossetor de Serviços, o segmento de Turismo e Transporte foi o principal responsável pela desaceleração.

Crescimento em todas as regiões

De acordo com o ICVA deflacionado e com ajuste de calendário, todas as regiões do país apresentaram crescimento em relação a agosto do ano passado.

A região Nordeste registrou alta de 3,2%, seguida do Sudeste (+3,1%), Norte (+2,6%), Centro-Oeste (+1,6%) e Sul (+1,0%).

Pelo ICVA nominal – que não considera o desconto da inflação – e com ajuste de calendário, a região Nordeste registrou aumento de 17,2% nas vendas. Na sequência aparecem: Sudeste (+17,1%), Norte (+16,2%), Centro-Oeste (+15,3%) e Sul (+15,1%).