Debêntures: valor cai 40% em abril e chega a R$ 3,8 bilhões

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Imagem/reprodução/tororadar

A emissão de debêntures incentivadas de infraestrutura registraram queda de 40% no mês de abril em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo dados divulgados pela Secretaria de Política Econômica nesta terça-feira, as emissões no período alcançaram R$ 3,84 bilhões, bem menos do que os R$ 6,4 bilhões de abril de 2019.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Os dados foram divulgados na 77ª edição do Boletim de Debêntures Incentivadas e, de acordo com informações da Agência Brasil, surpreenderam, já que bateram recorde em 2019.

Na ocasião, as emissões desses papéis, que são isentos de Imposto de Renda, somaram R$ 33,78 bilhões. Nos últimos 12 meses as debêntures incentivadas alcançaram R$ 31,28 bilhões, enquanto o montante desembolsado pelo BNDES ficou em R$ 20,38 bilhões.

Alternativa

A diferença em relação ao valor desembolsado pelo BNDES deixa claro que as debêntures incentivadas são uma forma alternativa de investimento para financiar projetos de infraestrutura, pois têm benefícios tributários.

Os benefícios de se ter um Assessor de Investimentos

No primeiro trimestre de 2020, as debêntures incentivadas somaram R$ 3,14 bilhões, enquanto os recursos injetados pelo BNDES para o setor ficaram em R$ 2,93 bilhões.

Tendência desde 2016

O Ministério da Economia explicou, por meio da Secretaria de Política Econômica (SPE) que o prazo médio das emissões de debêntures vêm apresentando tendência de alta desde 2016, atingindo 15,9 anos no período de janeiro a abril de 2020.

Nos primeiros quatro meses de 2020, a remuneração média foi do IPCA + 5,55 % ao ano.

Em 2019, no primeiro quadrimestre do ano, o valor foi menor, de IPCA + 4,7% ao ano.

Setores em alta

O boletim divulgado nesta terça-feira mostrou também que os setores de energia e transporte foram os que concentraram maior número de emissões entre janeiro e abril.

O setor de energia ficou com 54,4% de emissões, seguido pelo de transporte, com 36,5%.

A demanda por fundos de infraestrutura, por sua vez, sofreu uma retração no ano, com 131.302 cotistas registrados em abril contra 179.228 de dezembro do ano passado.

O boletim informou também que, entre as distribuições realizadas por meio de Oferta Pública (Instrução CVM nº 400/2003) e Oferta Restrita (Instrução CVM nº 476/2009), a participação dos investidores pessoa física, alcançou o
montante de R$ 27,1 bilhões até abril de 2020.

Esse valor corresponde a 31% das debêntures incentivadas de infraestrutura distribuídas desde 2012.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir