Vale (VALE3) retoma operação na Malásia; WEG (WEGE3) reduz jornada

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: Divulgação

A Vale informou que retomou as operações de carregamento em seu centro de distribuição, no Terminal Marítimo Teluk Rubiah, na Malásia, no sábado.

A medida foi possível depois de manutenções nas duas últimas semanas no terminal para garantir um retorno seguro às operações.

A atividade no local tinha sido interrompida no dia 24 de março, por não haver naquele momento recursos mínimos de segurança em meio à pandemia do Covid-19.

“A Vale e as autoridades buscam avaliar a evolução da pandemia na região e assegurar a implementação de protocolos de saúde e segurança adequados”, diz comunicado da companhia.

O terminal de Teluk Rubiah foi responsável pelo embarque de 23,7 milhões de toneladas de minério de ferro em 2019.

Segundo a Vale, apesar de não impactar as projeções (guidances) de produção de minério de ferro da Vale em 2020, que é de 310 a 330 milhões de toneladas, a retomada “aumenta a flexibilidade operacional e fortalece sua cadeia de valor”.

Adoção de nível 1 de emergência em barragem de Mariana

A Vale também informou que iniciou nesta segunda-feira, de forma preventiva, o protocolo de emergência em Nível 1 da barragem Dicão Leste, da Mina Fazendão, em Mariana (MG).

Segundo a companhia, não é necessária a evacuação da população à jusante da barragem.

A mina tinha recebido Declaração de Condição de Estabilidade positiva em março de 2020, mas agora, com essa reavaliação, se tornará negativa.

A medida, de acordo com comunicado da companhia, visa seguir a evolução das práticas de gestão de segurança de barragens e incrementar o nível de conhecimento das propriedades geotécnicas da estrutura.

Essa medida não altera o plano de produção de 2020, diz o comunicado.

 

WEG (WEGE3) prevê queda de receita e reduz jornada

A WEG anunciou que reduzirá em 25% as jornadas de trabalho e salários de funcionários das unidades de Motores de Jaraguá do Sul e Itajaí e do pessoal administrativo das áreas corporativas de Jaraguá do Sul. A decisão, que terá vigor entre junho e agosto, é parte das medidas de enfrentamento à crise gerada pelo coronavírus.

Desde o início de maio, a WEG já tinha adotado redução de 25% na jornada na unidade de Tintas e Vernizes, em Guaramirim (SC), e de 50% na unidade de Motores Comerciais e Appliance, em Linhares/ES.

No total, 12 mil colaboradores estarão em regime de redução de jornada.

A WEG afirma, em comunicado ao mercado, que, com operações fabris em 12 países, fornecendo produtos de ciclo curto e longo para diversos setores da economia, prevê uma diminuição de receita em segmentos que atua, com destaque para os produtos de ciclo curto de produção.

BRF (BRFS3) conclui captações de R$ 2,4 bilhões

A BRF concluiu, na sexta-feira, captações de linhas de financiamento que, junto com as operações realizadas de março, somam R$ 2,4 bilhões. As linhas têm prazo médio de 18 meses.

Adicionalmente, a BRF informa ter uma linha de crédito rotativo (revolving credit facility) junto ao Banco do Brasil, no montante de até R$ 1,5 bilhão, pelo prazo de até 3 anos.

Desta forma, segundo comunicado ao mercado, a BRF reforça seu nível de liquidez imediata e se prepara para um período de incerteza e volatilidade resultante da crise.