Vale (VALE3) negocia compra da Aliança com Cemig (CMIG4 e CMIG3)

Rodrigo Petry
Editor-chefe, com 18 anos de atuação em veículos, como Estadão/Broadcast, InfoMoney, Capital Aberto e DCI; e na área de comunicação corporativa, consultoria e setor público; e-mail: rodrigo.petry@euqueroinvestir.com.
1

Crédito: Divulgação Vale

A Vale (VALE3) e a Cemig (CMIG4 e CMIG3) iniciaram as negociações para que a mineradora adquira a parte da elétrica na Aliança Energia, joint venture criada em 2015 pelas duas empresas para geração e comercialização de energia, segundo reportagem do Valor Econômico.

Na sociedade, a Vale detém 55% e a Cemig outros 45% da Aliança, que estaria avaliada de forma consolidada em R$ 4,4 bilhões. A empresa posta à venda tem sete usinas hidrelétricas em Minas Gerais e um complexo eólico no Ceará. Em 2018, a Aliança teve lucro de R$ 198,3 milhões.

No fechamento do pregão desta terça-feira (14), as ações Vale (VALE3) subiram 0,61%, assim como as da Cemig: CMIG4 (+1,04%) e CMIG3 (+1,18%).

Respostas

Em resposta à ofício da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a mineradora informou que, conforme informado no Vale Day, na atualização de suas projeções, em dezembro do ano passado, e no Formulário de Referência, tem como “ambição de tornar-se 100% autoprodutora a partir de energia limpa até 2030”.

“Nesse sentido, a Vale está em tratativas com assessores financeiros para estudar eventuais operações e alternativas disponíveis no mercado alinhadas a sua estratégia de energia e alocação de capital eficiente”, afirmou.

“Cumpre esclarecer, que até a presente data não há decisão ou foi celebrado qualquer instrumento contratual vinculando à Vale a respeito da aquisição do ativo mencionado na referida reportagem (Valor)”, finalizou o comunicado.

Já a Cemig, também em resposta a ofício da CVM, afirmou “que está constantemente avaliando seu portfólio de ativos, visando otimizar sua alocação de capital”, disse.

A elétrica acrescentou que, no caso específico da Aliança Energia, até a data de hoje não foi tomada nenhuma decisão pelos seus órgãos de governança.