Vale (VALE3) nega ter sido informada sobre bloqueio de R$ 26,7 bi pelo MP

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação Flickr Brumadinho

A Vale (VALE3) comunicou nesta quarta-feira (26) que teve conhecimento, por meio de nota na imprensa, do pedido apresentado hoje pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e demais autoras na ação civil pública ajuizada em 25 de janeiro de 2019, referente a danos socioambientais e socioeconômicos decorrentes do rompimento da Barragem de Brumadinho.

A Companhia esclareceu que não se trata de nova ação civil pública, mas de pleitos na ação em andamento desde janeiro de 2019.

A Vale informou ainda que já foram apresentados R$ 11 bilhões em garantias e depósitos judiciais.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

Planilha de Ações: baixe e faça sua análise para investir

No pedido apresentado hoje, os autores pedem danos morais coletivos e ressarcimento de perdas econômicas do estado de Minas Gerais.

Segundo a nota publicada pelo MPMG, dentre os pedidos específicos, foi requerido o bloqueio de R$ 26,7 bilhões referentes ao ressarcimento de perdas econômicas do Estado.

Confira os melhores momentos da Money Week

A Vale ressaltou que não teve conhecimento formal dos pedidos formulados e se manifestará a seu respeito nos autos dos processos, no prazo estipulado pelo Juiz.

Viver (VIVR3): Jive Asset aumenta participação acionária

A Viver (VIVR3) informou que recebeu comunicado da gestora Jive Asset notificando sobre o aumento na participação acionária por parte de seus Fundos.

Desse modo, a participação acionária do Fundo na Companhia passou a representar 5,81% do capital social da Viver que, em conjunto com a participação já detida pelo Fundo, totaliza 47.258.887 ações ordinárias, correspondente a 49,66% do total de ações de emissão da Companhia.

Segundo o comunicado, a aquisição de 20.763.056 de ações ordinárias pela Jive Asset se deu no âmbito do aumento de capital social homologado em 19 de agosto de 2020.

A gestora do Fundo esclarece que a posição acionária detida na Companhia se trata de investimento, não objetivando alterar a sua composição do controle acionário ou a estrutura administrativa.