Vale (VALE3): MPF arquiva queixa feita por Steinmetz; CCP (CCPR3) aprova dividendo

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Foto: Vale

A Vale informou nesta segunda-feira (5) que recebeu informação do Ministério Público Federal (MPF) a respeito do arquivamento, em 28 de março, de queixa feita por Beny Steinmetz.

Segundo o empresário israelense, a mineradora era responsável por práticas ilícitas no projeto minerário de Simandou, na República da Guiné.

“Após classificar o requerimento movido contra a Vale como ‘incomodamente inespecífico’, o Ministério Público Federal concluiu que os documentos apresentados ‘não contêm elementos que indiquem sequer em tese a ocorrência de crime de corrupção ativa ou de tráfico de influência internacional’, sendo ‘conclusão falaciosa e inconsistente’ aquela de que executivos da Vale teriam em 2011 oferecido alguma vantagem indevida a George Soros”, diz o comunicado ao mercado.

A Vale entende que a decisão do Ministério Público Federal corrobora a lisura e probidade de sua atuação no mercado.

Por fim, a Vale acredita que as autoridades brasileiras reconhecerão que o evidente objetivo de Steinmetz é desviar foco dos processos de execução de US$ 2 bilhões movidos pela Vale contra ele e suas empresas.

Cyrela Comercial Properties (CCPR3) aprova dividendos

A CCP- Cyrela Comercial Properties (CCPR3) aprovou a distribuição de R$ 12 milhões em dividendos, sendo que cada ação ordinária fará jus ao recebimento de um dividendo no valor de R$0,0471936449786769.