Vale (VALE3) atualiza projeção de produção e custos, ações recuam

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Vale/Agência Brasil

A Vale (VALE3) divulgou nesta quarta-feira (02) suas novas projeções de produção e de custos, durante o evento Vale Day.

A produção de minério de ferro para 2020 está estimada entre 300 e 305 milhões de toneladas. O valor é abaixo da meta antes projetada para o ano, que era de 310 a 330 milhões de toneladas.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

Já para 2021, a expectativa da Vale é de produção de minério de ferro, principal ingrediente do aço, fica entre 315 e 355 milhões de toneladas. Ou seja, aumento de 10% em comparação às expectativas anteriores.

Perto das 14h20, as ações da companhia registravam queda de 1,22%, cotadas a R$ 80,26.

Para o cobre, a estimativa é de 390 milhões de toneladas para 2021. A média deve ser de 455 milhões entre 2022-2024, e de cerca de 500 milhões em 2025.

Já para a produção de níquel, a Vale prevê média de produção de 200 milhões  entre 2021-2023. E um aumento para 220 milhões entre 2024-2025.

O gasto de capital ou capex da Vale deve subir de US$ 4,2 bilhões para US$ 5,8 bilhões de 2020 para 2021.

A empresa deve gastar US$400 milhões e US$500 milhões em descaraterização para 2021 e 2022, respectivamente.

A Vale espera ainda registrar uma provisão adicional de aproximadamente US$ 670 milhões (valor nominal) para a execução do plano de descaracterização nas demonstrações financeiras do 4T20. Assim, totaliza aproximadamente US$ 2,7bilhões (valor nominal) em 31 de dezembro de 2020.

Para a dívida líquida expandida, a previsão da Vale é de US$ 8,6 bilhões em 2021. Assim, o valor deve recuar para US$ 7,4 bilhões em 2022 e para US$ 6 bilhões em 2023.

Na avaliação de Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos, embora a queda represente uma surpresa frente ao esperado pela casa, a revisão pode ser compensada pelo efeito caixa causado pela redução da oferta. Isso no caso de a companhia atingir uma produção próxima ao upper side da nova meta.

“O alcance adiciona uma produção residual a 21 e 22 para que Vale alcance os 400 mtpa requeridos pela companhia ao término de 2022”, diz o analista. A Ativa reitera a posição favorável a compra do ativo e classifica o evento como neutro.

Brumadinho

O diretor presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, afirmou que a companhia está perto de um de acordo com o governo de Minas Gerais a respeito do acidente de Brumadinho.

A projeção da empresa é que o valor total das ações de reparação da tragédia deva chegar a R$ 29,6 bilhões. A companhia já pagou US$ 2,6 bilhões em indenização para mais de 8000 pessoas. Segundo Bartolomeo, Brumadinho é prioridade número 1 da Vale.

Dividendos

O diretor-executivo de Finanças, Luciano Siani, acrescentou que mesmo com o fechamento do acordo com o governo mineiro, é provável que a companhia consiga pagar dividendos extraordinários em 2021, informou o TC Movers. A distribuição de proventos tinha sido interrompida após a tragédia e foi retomada esse ano. Em setembro, foram pagos mais de R$ 12 bilhões em dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) aos acionistas.

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

vale

 

Vale informa sobre Projeto Solar do Cerrado

A Vale S.A. também anunciou projeto para geração de energia solar Sol do Cerrado, no município de Jaíba (MG).

O projeto é importante contribuição para o protagonismo da Vale no processo de transição para mineração neutra em carbono, com geração de energia renovável e competitiva às operações da Vale e afiliada.

O projeto contempla a construção de uma usina fotovoltaica. Incluindo 17 subparques que totalizam uma capacidade instalada de 766 megawatts pico (MWp).

Há ainda a implantação de subestação elevadora, linha de transmissão e bayde conexão na Subestação Jaíba em 230 kV, com contratos assinados para a conexão ao Sistema Interligado Nacional brasileiro.

Com investimentos de US$ 500 milhões previstos a implantação, o Projeto é elegível a linhas de financiamento sustentáveis.

“O investimento é alternativa estratégica que, além de auxiliar no alcance das metas de sustentabilidade e competitividade, irá proporcionar redução de cerca de US$ 70 milhões por ano nos custos de energia elétrica”, diz a Vale.

O início da operação está previsto para 2022. Serão produzidos aproximadamente 193  megawatts médios (MWm) de energia para as operações da Vale por ano. Assim, o valor corresponde a 13% da demanda estimada da Vale em 2025.

Quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos poderá ajudar em sua jornada.