Vale a pena investir em ações do setor de construção?

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A construção civil compõe um dos chamados setores cíclicos da bolsa de valores brasileira. Isso quer dizer que o segmento depende fortemente de um ciclo econômico favorável.

Quando emprego e crédito estão em alta, as ações sobem. Da mesma forma, momentos de baixa no emprego, na renda e, consequentemente no consumo, são períodos desfavoráveis ao setor.

Reunimos aqui uma série de informações sobre as empresas de construção civil, com  as principais características do setor, o que faz a ação subir ou descer e as perspectivas

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Empresas de construção civil listadas

São apenas três as empresas do setor que integram o Ibovespa, índice que aponta as ações mais negociadas na bolsa:

  • Cyrela Realty (CYRE3);
  • EZTEC (EXTC3);
  • MRV (MRVE3).

Mas há diversas outras também listadas na B3:

  • Adolpho Lindenberg (CALI3; CALI4)
  • Tenda (TEND3)
  • CR2 (CRDE3)
  • Cury (CURY3)
    Direcional (DIRR3)
  • Even (EVEN3)
  • Gafisa (GFSA3)
  • Helbor (HBOR3)
  • Inter (INNT3)
  • JHSF (JHSF3)
  • João Fortes (JFEN3)
  • Lavvi (LAVV3)
  • Melnick Even (MELK3)
  • Mitre (MTRE3)
  • Moura Dubeux (MDNE3)
  • PDG Realty (PDGR3)
  • Plano & Plano (PLPL3)
  • Rodobens Negócios Imobiliários (RDNI3)
  • Rossi Residencial (RSID3)
  • Tecnisa (TCSA3)
  • Tegra (BISA3)
  • Trisul (TRIS3)
  • Viver (VIVR3)

O que impacta o setor da construção civil?

O setor da construção civil tem performance diretamente ligada a um ciclo virtuoso da economia.

Com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), emprego em alta e crédito abundante, ele sempre tende a subir.

“Para adquirir imóvel, que configura uma dívida longa, o consumidor precisa de emprego e de crédito, porque ele na maioria das vezes não possui o valor total do imóvel. Mas, tendo emprego, isso viabiliza um financiamento”, afirma Greco Salvatore Montagna, assessor de mesa de renda variável da EQI Investimentos.

Atualmente, a economia ensaia uma retomada depois do tombo causado pela pandemia. A taxa de desemprego é alta.

Ainda assim, um fator tem sido bastante positivo para o setor: a taxa básica de juros (Selic) em sua mínima histórica, de 2% ao ano.  (2%).

Isso possibilita crédito mais barato para quem precisa pegar empréstimo para adquirir um imóvel. E o crédito imobiliário é uma modalidade que agrada aos bancos, porque não traz riscos, já que é totalmente coberto por seguradoras. Logo, a oferta é ampla.

Selic compensa crise

Em relatório, o BTG Pactual confirma que a Selic baixa vem compensando o desempenho da economia na crise.

“A crise afetou os lançamentos do primeiro semestre de 2020, mas a normalidade vem sendo retomada rapidamente. A velocidade de vendas permaneceu forte, impulsionando os lançamentos no terceiro trimestre, e deve continuar crescendo nos próximos anos. Taxas de juros historicamente baixas são fundamentais para este mercado e devem compensar as condições econômicas fracas e impulsionar o apetite por novos lançamentos e vendas futuras”, afirmou o banco.

A necessidade de isolamento provocada pela pandemia também propiciou um cenário bastante atípico, em que as famílias economizaram com lazer, transporte e viagens, ficando mais em casa. E puderam deslocar recursos para outros fins, sendo um deles a meta da casa própria.

Mais segurança jurídica no setor

O setor também passou, nos últimos anos, por algumas mudanças que o tornaram mais seguro para as incorporadoras.

Uma delas foi a lei do distrato, sancionada no final de 2018. Dentre outras coisas, ela define em contrato quanto a incorporadora devolve ao comprador do imóvel em caso de desistência.

Até então, o valor devolvido era de até 90% do valor pago. “Isso exauriu o caixa das construtoras por muitos anos”, diz Montagna.

Cada construção com CNPJ próprio

Outro ponto favorável é que, hoje, cada construção tem CNPJ próprio, sendo proibido deslocar recursos de uma obra para outra.

A construtora precisa fazer um registro de patrimônio de afetação, assegurando que os bens relativos a determinado empreendimento estão totalmente separados dos bens e dívidas da “empresa mãe”.

Desta forma, o investidor fica protegido de uma eventual falência – como aconteceu com a Encol em 1999, que quebrou, deixando milhares de clientes sem imóveis e sem devolução de valores, e afetando a credibilidade do mercado como um todo.

“Hoje o setor é mais sadio e previsível, sem riscos sistêmicos”, diz Montagna. “Eu, particularmente, gosto muito do setor. Quando a economia aquece e ele pega tração, tem uma performance muito boa”, opina.

Já para Fabrício Lodi, professor do Projeto os 10%, escola de traders, o setor de construção civil não está entre seus favoritos. “Ele sofre muitas altas e baixas, depende muito de taxa de juros e de como a economia anda”, diz.

Boom de IPOs

Com a Selic baixa e uma maior entrada de investidores na bolsa de valores, buscando maior rentabilidade do que a oferecida pela renda fixa, muitas empresas da construção civil viram uma oportunidade para se capitalizar via ofertas iniciais de ações (IPO na sigla em inglês).

De todos os IPOs já realizados no ano, um terço é de construtoras. Foram sete estreias do setor na bolsa, de um universo de 21 IPOs realizados.

É o caso da Mitre Realty, que levantou R$ 1,02 bilhão; da Moura Dubeux, que levantou R$ 1,25 bilhão; e da Lavvi, que captou R$ 1,16 bilhão.

Também fizeram IPO Melnick Even (R$ 713,58 milhões), Plano & Plano (R$ 690 milhões), Lavvi (R$ 1,16 bilhão) e Cury Construtora (R$ 977,5 milhões).

“Isto revela o apetite das construtoras e dos consumidores por mais imóveis. E lembra muito o boom que aconteceu em 2007, quando também houve muito IPO do setor”, diz Lodi.

Recorde de vendas na pandemia

Segundo dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), o mercado imobiliário bateu recorde de vendas em agosto, obtendo o melhor resultado desde maio de 2014.

Em todo o país, 10.949 unidades foram vendidas, resultado 63,8% melhor do que o registrado em agosto do ano passado – em cálculo que já desconta os distratos.

A venda de imóveis populares foi a que mais cresceu: 8.556 unidades vendidas, com aumento de 88,2% na comparação com o mesmo mês de 2019.

Os dados de financiamento também confirmam o bom momento do setor. Em setembro, R$ 12,8 bilhões foram liberados para a compra de imóveis com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), o volume é 70,1% maior do que em setembro de 2019 e é recorde da série histórica, iniciada em julho de 1994.

No mês, foram financiados 42 mil imóveis, com alta de 54,6% ante o mesmo período do ano passado.

Cyrela anuncia alta nas vendas

A Cyrela divulgou recentemente sua prévia dos resultados operacionais do terceiro trimestre de 2020.

As vendas líquidas somaram R$ 2,45 bilhões, uma alta de 58% na comparação com o mesmo período de 2019.

No ano, as vendas contratadas atingiram R$ 4,63 bilhões, sendo 3% superior ao mesmo período do ano passado.

As ações da companhia, no entanto, registram queda de 26% no ano.

Eztec registrou crescimento no segundo trimestre

O último balanço da Eztec, referente ao segundo trimestre, registrou um lucro líquido de R$ 68,072 milhões. As cifras são 293% superiores aos R$ 17,303 milhões do mesmo período de 2019.

A empresa estreou em setembro no Ibovespa. No ano, as ações registram queda de 3,4%.

MRV favorecida por programa do governo federal

A MRV registrou um lucro líquido de R$ 124 milhões no segundo trimestre de 2020, um desempenho 34,6% inferior na comparação com igual período do ano passado.

No entanto, a empresa deve apresentar resultados melhores daqui para a frente, em boa parte devido ao programa Casa Verde e Amarela, do governo federal, que impacta diretamente os empreendimentos voltados para a faixa de renda da população que a MRV atende.

No ano, as ações da MRV apresentam queda de 3,6%.

Pelo programa Casa Verde e Amarela, são facilitados os empréstimos para a baixa renda, com condições ainda mais favoráveis para construções no Norte e Nordeste do país, onde ela atua.

Direcional e Tenda também são incorporadoras impactadas positivamente pelo programa.

Tecnisa e Gafisa: tema para investidor acompanhar

Outro tema do setor que os investidores devem acompanhar é a oferta hostil da Gafisa pela Tecnisa. Chama-se de oferta hostil uma proposta que não foi negociada com os administradores.

Até aqui, a maioria dos acionistas se mostrou contrária à fusão. No entanto, caso seja viabilizada, seria formada uma gigante do setor imobiliário, com um banco de terrenos avaliado em R$ 10,3 bilhões.

O que faz a ação subir ou descer no setor

  • PIB;
  • Taxa de desemprego;
  • Taxa básica de juros (Selic);
  • Programas de financiamento habitacional;
  • Fusões e aquisições;
  • Inflação dos materiais de construção;
  • Resultados operacionais.