Vale (VALE3): de 104 unidades, 71 declarações de estabilidade foram emitidas

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / Wikipedia

A Vale (VALE3) informou nesta quinta-feira (1) que atualizou as Declarações de Condição de Estabilidade (DCEs) para estruturas geotécnicas exigidas pela Agência Nacional de Mineração (ANM).

Foram avaliadas 104 estruturas. Um total de 71 DCEs positivas foram emitidas. Outras 33 estruturas não tiveram emissão de DCEs positivas.

A empresa “ressalta o aperfeiçoamento contínuo de seu Sistema de Gestão de Barragens”, em nota emitida ao mercado.

Simule o rendimento de investimentos em Renda Fixa

O processo tem por objetivo a gestão de segurança e desempenho das barragens.

Vale e as estruturas negativadas

Nove barragens de rejeitos e sedimentos continuam sem DCEs positivas, com respectivas Zonas de Autossalvamento (ZAS) evacuadas.

“Além delas, a barragem Xingu teve seu nível de emergência elevado de 1 para 2 em 29 de setembro de 2020”, informa.

Confira principais Ações para investir em Outubro

“Originalmente classificada como ‘empilhamento drenado’, a estrutura foi reclassificada como ‘barragem de rejeitos com método de alteamento a montante’ em setembro de 2020”, segue.

A Vale ainda informa que todas as barragens de rejeitos em nível 2 ou 3 de emergência estão contempladas no seu plano de descaracterização.

Há outras 23 estruturas sem DCEs positivas.

Dessas, 15 mantiveram o nível de emergência; uma delas, a Barragem VI, teve emissão de DCE positiva, em processo de formalização de redução de nível de emergência; a Xingu) teve nível de emergência elevado a 2; 5 estruturas perderam DCEs positivas; e 3 estruturas, avaliadas pela primeira vez em 2020, não receberam DCEs positivas.

Melhoramento

A Vale informa que “tem adotado diversas medidas para a melhoria das condições de segurança de suas estruturas”.

Isso significa manter os reservatórios rebaixados e minimizar o aporte de água, com a implantação de canais de cintura.

A empresa também está construindo estruturas de contenção.

“No caso das estruturas em nível 1 e em nível 2 de emergência”, segue o comunicado, “além do monitoramento contínuo e do aprimoramento das informações sobre as condições das estruturas, a Vale tem projetos e obras em andamento para elevar a condição de segurança ou para descaracterizar as estruturas”.