Unica: renovação de cota de importação de etanol “impõe grande sacrifício”

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site Visão Agro

Acuado por estoques elevados e às vésperas de uma nova safra na Região Nordeste, o setor sucroalcooleiro nacional agora enfrenta novo desafio, a partir da renovação pelo governo brasileiro, por 90 dias e sem tarifas, da cota de importação de 187,5 milhões de litros de etanol dos Estados Unidos, divulgou o Estadão.

“Cada litro de etanol importado Brasil é um problema a mais para o setor”, admite o presidente da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Evandro Gussi, para quem a decisão do Executivo – tomada na sexta-feira (11) – deverá impor “um grande sacrifício” à atividade.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

Pressão sobre os preços

De imediato, Gussi disse acreditar o reforço de oferta deverá “pressionar os preços internamente”.

A renovação da cota, de acordo com especialistas, seria uma espécie de “moeda de troca” – no momento, negociada pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo – no sentido de favorecer as exportações do açúcar do Brasil para os Estados Unidos.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Participação pífia

Mesmo sendo o maior exportador mundial da commodity, o Brasil participa pouco do mercado norte-americano, mas isso ocorre porque o açúcar nacional é duramente taxado por aquele país, arcando com uma tarifa de importação de 140%.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

No momento, Brasil e EUA buscam um “arranjo” que garanta, tanto maior acesso do etanol ianque ao Brasil, quanto reforçar a presença do açúcar nacional na terra do Tio Sam e, por tabela, franquear o acesso do milho aos mercados de ambos países.

Meta é reeleição

Analistas também apontam que resolver a questão do etanol interessa muito à campanha de reeleição do presidente Donald Trump. Como o produto é derivado do milho, esse fato pode ser utilizado politicamente para carrear votos dos produtores do grão para o atual presidente daquele país.

O presidente da Unica reage mal a essa hipótese. “Eu odiaria saber de alguma coisa como essa. O que nos foi a apresentado é que era uma negociação para buscar uma condição de justiça para o açúcar”, revela.

Mais cético, o economista Felippe Serigatti, da FGV/Agro, entende que “somente o tempo que irá dizer qual é a “leitura verdadeira” dessa negociação.

Aço é exemplo

“Acho que esse veredicto vai sair mais para frente, se essas negociações para o açúcar prevalecerem ou não”, avalia, ao lembrar que, no caso do aço brasileiro, este acabou não obtendo isenção do governo estadunidense.

Por outro lado, Serigatti admite que “se a prorrogação tiver como contrapartida uma negociação mais favorável ao açúcar (em alta no mercado internacional), ela poderá ser uma medida positiva”.

“Para ser, de fato, favorável à economia nacional, o governo brasileiro tem de tratar os EUA como outro país, não como mero apoiador da reeleição do atual presidente norte-americano”, arrematou o economista.

 

 

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.