União Europeia prevê retração de quase 8% do PIB em 2020

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

Uma recessão de proporções históricas, com queda do PIB de aproximadamente 8%. É isso o que a Comissão prevê para os países da União Europeia em 2020.

De acordo com informações das agências internacionais Reuters e DW, o PIB da zona do euro deve fechar o período com uma retração de 7,75%, dois décimos acima do que a projetada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

“A Europa está passando por um choque econômico sem precedentes desde a Grande Depressão. Tanto a profundidade da recessão como a força da recuperação serão irregulares”, avisou Paolo Gentiloni, comissário europeu de economia do bloco.

Projeção por país

Segundo Gentiloni, o impacto do coronavírus na economia dos países europeu foi semelhante e avassalador. Na Itália, país mais afetado pela doença, a projeção é de um PIB de -9,5% para 2020, após registrar crescimento de 0,3% em 2019.

A Espanha, outra economia gigante do bloco e que acusou fortemente o golpe do vírus, tem expectativa de fechar o ano com queda similar a da Itália: 9,4%.

França, com queda de 8,2%, Alemanha, com 6,5%, e Holanda, com 6,8% de retração, completam o top 5 de países que mais sofrerão com a queda do PIB em 2020.

Déficit público e dívida pública

Diante de um cenário de retração geral do PIB, o déficit público apresenta tendência de alta, chegando a 6,5% na zona do euro.

Itália (11,1%), Espanha (10,1%) e França (9,9%) puxam a fila,  enquanto a dívida pública será de 102,7% do PIB em média, com Grécia (196,4%) e Itália (158,9%) à frente.

Todos os países vão superar o limite de 3% de endividamento em 2020 previsto pelas regras da UE, que foram suspensas por conta da pandemia de coronavírus.

A média prevista para 2020 é de 8,5%, muito maior do que a do ano passado, que fechou com 0,6%.

Desemprego

O relatório da comissão europeia apontou também para um avanço preocupante em relação ao desemprego na Eurozona.

Segundo os dados divulgados pelas agências internacionais, o índice chegará a 9,6% no ano, com Grécia (19,9%), Espanha (18,9%), Itália (11,8%), França (10,1%) e Portugal (9,7%) acima da média dos 19 países da região.

Na área dos 27 Estados-membros da União Europeia, o desemprego deverá passar de 6,7% em 2019 para 9% em 2020, devendo retroceder a 7,9% no ano seguinte.

Os países considerados mais vulneráveis são os que apresentam grande número de trabalhadores informais, e com forte dependência do turismo.

Recuperação gradual

A projeção do PIB para 2021 é de uma recuperação gradual para os países integrantes do bloco da União Europeia.

Segundo o relatório da comissão econômica, o PIB da área de 19 países da moeda comum deverá crescer 6,25% em 2021, e a dos 27 países membros está projetada para aumentar 6,1%.

A Itália, que sofrerá uma das maiores recessões em 2020, tem projeção de crescimento de 6,5% para 2021, assim como deverá ocorrer com Espanha (7%), França (7,4%) e Alemanha (5,9%).

“A aguardada flexibilização progressiva das medidas de confinamento deve estabelecer as bases para uma recuperação”, diz o comunicado vindo de Bruxelas.

Estados Unidos e Reino Unido começam negociações pós-Brexit