União Europeia celebra “acordo finalizado” com Mercosul

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Parana Portal

O acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul está “finalizado”. Pelo menos foi isso o que celebrou o representante da UE para assuntos externos.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

De acordo com Josep Borrell, os dois blocos devem selar o acordo com novos acertos políticos e institucionais após quase duas décadas de conversa ainda em 2020.

“É um prazer poder, depois de 20 anos intensos marcados por vai e vem e negociação difícil, anunciar a finalização das negociações, tanto do acordo comercial, quanto da seção que faz menção à relação política de cooperação. O acordo da associação da entre Mercosul e União Europeia foi finalizado em seus capítulos políticos e institucionais na metade deste mês”, discursou.

Acordo moderno e ambicioso

Borrell, que fez tal declaração durante a Cúpula do Mercosul, realizada pela primeira vez de forma virtual, rotulou a última proposta de acordo de “moderno, ambicioso, amplo e equilibrado”.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

O representante da União Europeia lembrou dos vários obstáculos que tiveram de ser superados para o acordo chegar perto de ser concretizado.

Segundo Borrell, quando ele era presidente do Parlamento Europeu, a assinatura ficou a ponto de ser feita. “Esse ponto durou 13 anos, mas, felizmente, o acordo está aí. Um instrumento sólido, que vai resultar em benefícios econômicos e sociais para ambos os blocos”, comemorou.

Turbulências na semana

O otimismo de Borrell contrastou com as barreiras que a União Europeia e o Mercosul enfrentaram nesta semana para alinhavar melhor o acordo.

Angela Merkel, chanceler da Alemanha, e que assumiu interinamente a presidência do bloco, foi pressionada por entidades de direitos humanos a não assinar o acordo com o Mercosul.

O motivo principal, segundo o colunista Jamil Chade, do UOL, é a política ambiental praticada pelo governo brasileiro desde o início da gestão do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo Chade, Merkel tentará convencer os parceiros europeus de que a abertura com o Brasil é fundamental para as exportações e, portanto, para melhorar os empregos na Europa.

Durante a videoconferência desta quinta, Bolsonaro afirmou que os acordos entre a UE e o Mercosul “evidenciam que estamos no caminho certo”. Bolsonaro fez um apelo para que todos os presidentes “instruam seus negociadores a fecharem os textos”, e afirmou que a intenção é realizar a assinatura “ainda neste semestre”.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir