UBS revisa projeção do PIB brasileiro e prevê retração de 5,5%

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/iStockphoto

O PIB do Brasil deve encolher 5,5% neste ano, de acordo com revisão realizada pelo banco UBS. Anteriormente, o banco suíço havia projetado uma queda de 7,5% do PIB em 2020.

Conforme o UBS, a revisão foi motivada principalmente pela elevação do preço das commodities e política monetária.

A China está passando por uma forte recuperação e o UBS espera que isso seja refletido no Brasil através de
preços mais altos das commodities / exportações líquidas.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Os economistas Tony Volpon e Fabio Ramos também ressaltaram a eficiência do programa assistencial “coronavoucher”. O auxílio emergencial promoveu suporte efetivo as famílias mais vulneráveis.

A diferença entre salários e crédito frente ao consumo refletiu também o lado de restrições por parte da oferta, mas essa disparidade vem diminuindo, o que deve levar a uma recuperação do consumo.

Por fim, o banco aponta que a incerteza diminuiu, mas deve continuar elevada. Isso porque a deterioração do mercado de trabalho e os baixos níveis de investimentos devem atrapalhar uma melhora mais sustentável da economia à medida que o pior da pandemia passar.

PIB em 2021 deve crescer 3%

Conforme o relatório, o PIB deve registrar crescimento de 3% no próximo ano, o que ainda deixaria o nível do PIB em 97,6% observado no final de 2019.

O crescimento poderia se materializar com uma agenda de reforma renovada. Isso porque aumentaria a confiança na trajetória fiscal de médio / longo prazo, mantendo as taxas baixas e desengavetando  investimentos em setores como o saneamento.

De acordo com o UBS, o risco de queda é devido a danos ao mercado de trabalho e baixos níveis persistentes de investimentos.