Trump recua e diz que vai evitar atacar lugares culturais no Irã

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Foto: Fotos públicas

O presidente Donald Trump voltou atrás. Avisou, nesta terça (7), que os EUA não irão mais bombardear locais que são considerados patrimônios históricos no Irã.

No último sábado (4) ele havia dito que iria atacar lugares culturais no Irã, caso o país decida retaliar o ataque americano que matou o general iraniano Qassem Solaimani no último dia 2. Esses locais estavam na lista de 52 pontos que os EUA escolheram como alvo na república islâmica, de acordo com Trump.

Tratados internacionais

A comunidade internacional condenou as intenções do presidente. Líderes da ONU e chefes de estado na Europa e na Ásia mostraram preocupação com a possibilidade dessas investidas do exército americano. Trump preferiu então recuar.

Simule o rendimento de seus investimentos em Renda Fixa e calcule retorno das aplicações

“Irei respeitar as leis internacionais”, disse Trump, de acordo com a agência de notícia Reuters.

Esses ataques aos locais culturais “passariam por cima de tratados e convenções internacionais”, reforçou Trump ao conversar com repórteres no Salão Oval da Casa Branca.

“Irã vai sofrer consequências”

“É a lei e irei respeitá-la”, lembrou o presidente americano. Referindo-se ao Irã, Trump afirmou: “Eles matam nosso povo, explodem alvos e precisamos ser muito gentis com suas instituições culturais. Mesmo assim, não iremos bombardear locais históricos e culturais”, frisou.

Ele acrescentou: “Se o Irã decidir fazer algo contra nosso povo, sofrerá as consequências e com muita força”.

O líder da maioria no Senado dos EUA, Mitch McConnell, lembrou, em uma entrevista coletiva na terça-feira, que não seria apropriado os Estados Unidos atacarem locais culturais iranianos.