Trump não foi testado para coronavírus, diz Casa Branca

Tatiane Lima
Jornalista, redatora sênior. Tecnóloga em Recursos Humanos e MBA em Comunicação e Marketing. Apaixonada por empreendedorismo criativo. Atuei nos três setores, com hard news, jornalismo on, off e redação publicitária.
1

Crédito: Reprodução

A rede de notícias CNN publicou, nesta terça-feira (10), que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump não foi testado para o coronavírus. Segundo a rede, a confirmação foi dada pela Casa Branca, ontem (9). Antes da afirmação oficial, a dúvida sobre a aplicação do teste já chamava a atenção da imprensa. Isso porque Trump esteve próximo de políticos americanos que estão em quarentena, justamente por terem tido contato com pessoas infectadas.

De acordo com a CNN, a secretária de imprensa da Casa Branca, Stephanie Grisham, justificou a decisão. “O presidente não recebeu o teste de COVID-19 porque não teve contato prolongado com nenhum paciente conhecido e confirmado com COVID-19, nem apresenta sintomas. O presidente Trump permanece com excelente saúde e seu médico continuará monitorando-o de perto.”

Diante disso, Grisham explicou sobre as orientações do Centers for Disease Control and Prevention (CDC), ou Centro de Controle e Prevenção de Doenças, na tradução. “De acordo com as diretrizes atuais do CDC, os profissionais médicos devem basear as decisões de teste nos sintomas do paciente e no histórico de exposição”.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

Quando questionado pela CNN, o vice-presidente, Mike Pence, líder da força-tarefa contra o coronavírus no governo, disse não saber sobre o teste de Trump. Pence ainda confirmou à rede, em coletiva de imprensa na Casa Branca, que também não tinha sido rastreado para o coronavírus. Porque “não houve recomendação” de que ele deveria ser testado. Na mesma coletiva, Trump foi igualmente indagado. Mas, se retirou do local sem responder nenhuma pergunta.

Relações de Trump

Ainda conforme a CNN, os congressistas republicanos Doug Collins, representante da Geórgia, e Matt Gaetz, da Flórida, colocaram-se em resguardo. Isso após descobrirem que mantiveram proximidade com uma pessoa que, tempos depois, foi diagnosticada com o coronavírus. Inclusive, o contato aconteceu durante a Conservative Political Action Conference (CPAC), ou Conferência de Ação Política Conservadora, na tradução. O evento ocorreu em Washington, entre os dias 26 e 29 de fevereiro.

Além disso, a CNN aponta que Collins apertou a mão de Trump durante uma visita recente ao CDC. Enquanto Gaetz utilizou a limusine presidencial, também recentemente, antes de embarcar na aeronave oficial do governo com o presidente. O chefe de gabinete de Trump, o deputado republicano Mark Meadows, da Carolina do Norte, está igualmente em quarentena. Ele tomou a mesma decisão dos colegas após a participação na CPAC.

LEIA MAIS: Bolsas reagem com promessa de ajuda de Trump