Trump critica Apple por se recusar a desbloquear iPhones de atirador

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo
1

Crédito: Reprodução / Kevin Lamarque/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou a Apple após a recusa em desbloquear iPhones de um suspeito de disparos em uma base da Marinha. No Twitter, o político acusou a empresa de atrapalhar as investigações do atentado, ocorrido em dezembro na Flórida.

“Estamos ajudando a Apple o tempo todo no comércio e em muitos outros problemas, e eles se recusam a desbloquear telefones usados ​​por assassinos, traficantes de drogas e outros elementos criminosos violentos. Eles terão que avançar e ajudar nosso grande país, AGORA! FAÇA A AMÉRICA MUITO NOVAMENTE ”, twittou Donald Trump.

No tiroteio, três pessoas foram mortas na base naval de Pensacola, na Flórida, em 6 de dezembro. O suspeito estava em treinamento como piloto da Força Aérea da Arábia Saudita. Após o atentado, morreu em uma troca de tiros com dois agentes.

Autoridades dos Estados Unidos informaram que solicitaram para a Apple o desbloqueio de dois iPhones do suposto atirador. Mas na segunda-feira, o procurador-geral William Barr alegou que a Apple não havia atendido ao pedido.

Contudo, após o tweet de Donald Trump, a Apple respondeu que havia fornecido gigabytes de informações às autoridades policiais relacionadas ao caso, mas que não criaria um “backdoor” ou software especializado para dar acesso elevado às autoridades policiais.

“Rejeitamos a caracterização de que a Apple não forneceu assistência substantiva na investigação de Pensacola. Nossas respostas a seus muitos pedidos desde o ataque foram oportunas, completas e estão em andamento ”, afirmou a Apple.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Novo pedido

Mas esta não é a primeira vez que os EUA pedem para a Apple desbloquear um celular. Em 2016, a empresa chegou a receber uma ordem judicial para compartilhar os dados armazenados no iPhone 5c do atirador que deixou 14 pessoas mortas e 22 feridas em San Brnardino, na Califórnia.

Mas na ocasião, a Apple se recusou a criar a brecha e publicou uma carta aberta para explicar sua decisão. Em meio à batalha judicial, o FBI encontrou outra solução e decidiu desbloquear o iPhone por conta própria.