Três títulos do Tesouro Direto renderam mais que o Ibovespa em 2019

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Pixabay

No final de 2019, a taxa Selic baixou de 6,5% para 4,5%. Mas antes da queda, que afetou o Tesouro Direto, três títulos apresentaram mais rendimentos que o Ibovespa em comparação do início ao final do ano. Naquele período, a Ibovespa havia subido a 31,58%.

O título com melhor desempenho, segundo informações do Valor Investe, foi o Tesouro Direto IPCA+ 2045, com alta de 58,09%. Quem investiu em janeiro neste título, terminou 2019 com ele valendo quase 60% a mais que antes. Em segundo lugar, ficou o Tesouro IPCA+ 2035, com alta de 36,57%. E em terceiro lugar, o Tesouro IPCA + 2050, com juros semestrais que subiram 33,05%.

Essas valorizações nos títulos do Tesouro ocorreram devido a queda da taxa Selic para os antigos investidores. Já quem começou a investir com os juros menores, não conseguiu acompanhar essa valorização. Ou seja, quem comprou antes comprou mais barato, e conseguiu valorizar melhor o rendimento.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Os títulos do Tesouro Direto, do tipo  IPCA+ seja com vencimento em 2035, 2045 ou 2050 são difíceis de prever a rentabilidade no futuro. Devido a justamente não conseguir saber como a situação da economia vai estar em 2035, 2045 e 2050. Esse título acaba tendo muita oscilação até o período do vencimento.

Para alguns pode parecer preocupante, mas para outros investidores não. Pois, também há a possibilidade de conseguir ganhos mais elevados, como o caso destes títulos em 2019. O importante é sempre ficar de olho no mercado para não ter eventuais surpresas negativas.