Transações correntes têm superávit de US$ 3,8 bilhões, em linha com projeção

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A conta de transações correntes do Brasil de maio apresentou um superávit de US$ 3,8 bilhões, resultado em linha com o esperado pelo mercado. Comparativamente, em maio de 2020, o resultado foi de déficit de US$ 519 milhões.

Nos últimos 12 meses, o déficit em transações correntes somou US$ 8,4 bilhões, ante US$ 65,2 bilhões de maio de 2020.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

transações correntes

Reprodução/BC

Já o resultado da balança comercial de bens para maio apresentou um forte superávit de US$ 8,1 bilhões, explicado pela elevação exportações, refletindo a maior demanda global com a recuperação mundial, totalizando US$ 27,2 bilhões, recorde histórico para maio de 2021 e superior em 54,4% em relação a maio de 2020.

Já as importações totalizaram US$ 19 bilhões, 31,9% superior ao mesmo período de 2020. Elas foram impulsionadas pela recuperação da atividade econômica e pela apreciação do real.

O Investimento Estrangeiro Direto de maio apresentou uma entrada líquida de US$ 1,2 bilhões, resultado abaixo do esperado pelo mercado de US$ 2,5 bilhões.

Para o BTG Pactual (BPAC11), o dado forte da balança comercial, com destaque para o recorde histórico registrado nas exportações, corrobora com a perspectiva otimista para 2021.

“A aceleração das exportações, com a retomada da atividade econômica internacional a partir da vacinação de grande parte da população de importantes parceiros comerciais, com a melhora do cenário doméstico a partir da previsão de reabertura de grande parcela da economia no segundo semestre, nos motivam a projetar um cenário positivo para o balanço de pagamentos”, afirma nota do banco.