Track & Field (TFCO4): marca de roupas esportivas fará IPO no dia 26

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Foto: Track & Field

A marca de roupas e acessórios de alta tecnologia para atividades esportivas Track & Field (TFCO4)  está prestes a realizar sua Oferta Pública Inicial de Ações (IPO).  A estreia na bolsa está prevista para o dia 26 de outubro. A reserva de ações para pequenos investidores começou nesta quinta-feira (8).

A faixa indicativa de preço estabelecida pela empresa vai de R$ 10,65 a R$ 14,95 por ação. O valor vai ser fixado no dia 22 de outubro.

Com o IPO, a Track & Field tem como objetivo investir em sua plataforma de bem-estar, inovação tecnológica, expandir seus franqueados e distribuir dividendos.

A criação da Track & Field

Criada em 1988, a Track & Field nasceu da vontade dos amigos Fred Wagner, Alberto Azevedo e Ricardo Rosset de vender camisetas no colégio. O negócio amadureceu, eles passaram a vender para marcas de surfwear até decidirem investir em sua marca de moda esportiva: a Track & Field. A primeira loja em shopping foi aberta em 1990.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Hoje a Track & Field oferece artigos esportivos, lifestyle, moda praia, calçados e acessórios. A empresa tem abrangência nacional, com mais de 233 lojas, entre lojas próprias e franquias, espalhadas por 24 Estados.

A empresa também possui e-commerce, e realiza eventos de experiências (TF Experiences), que são eventos relacionados a wellness, além de um circuito de corridas de rua (T&F Run Series), que hoje é um das maiores da América Latina em número de provas.

Até hoje os sócios estão “ativamente presentes na rotina diária da companhia, atuando como membros do conselho administrativo e compondo comitês de estratégia de inovação e sustentabilidade”, diz a empresa.

O modelo de negócios

Das 233 lojas da Track & Field, 37 são próprias, além do e-commerce e das 196 franqueadas. No primeiro semestre deste ano o e-commerce apresentou um aumento de 275% no volume de vendas online. A estratégia de investir no modelo de franquias foi o que fez a empresa crescer nos últimos anos.

A base atual de clientes da Track & Field é composta majoritariamente por pessoas entre 20 e 60 anos. Entre eles, 60% são mulheres.

Com centro de distribuição em São Paulo, o número de lojas da Track & Field cresceu principalmente nos últimos 10 anos. Assim, passou de 4 franquias em 2011 para 196 em 2020.

Em 2019, o resultado da soma da venda bruta em todos os canais de venda do Grupo Track & Field (incluindo lojas, franquias e e-commerce) foi de R$ 469 milhões.

A Track & Field reportou um lucro líquido de R$ 51,1 milhões no ano passado. Em 2018 foram R$ 40,4 milhões e em 2017 R$ 30,3 milhões.

Já a receita líquida atingiu R$ 275 milhões em 2019, contra R$ 241,1 milhões de 2018. O caixa líquido totalizou R$ 45,8 milhões no ano passado e R$ 35,5 milhões em 2018.

Números Track & Field

IPO com ações preferenciais

Como muitas outras empresas, o IPO da Track & Field havia sido paralisado por conta da pandemia do coronavírus. Mas a empresa retomou o pedido e já definiu o ticker: TFCO4.

Diferentemente de outras empresas que farão IPO, a Track & Field vai vender apenas ações preferenciais, em vez de ordinárias. Serão ofertas primárias e secundárias.

No prospecto inicial, a empresa afirmou que seu estatuto prevê que todas as suas ações, sejam ordinárias ou preferenciais, têm direito a voto, com as PNs detendo direito econômico 10 vezes maior que o das ações ON. Nesse modelo, os detentores de ações preferenciais recebem 10 vezes mais dividendos.

Assim, após o IPO, os três acionistas fundadores seguirão como controladores da Track & Field. A empresa acertou com a B3 que terá metade das ações em circulação no mercado, em vez dos 25% regulamentares.

Por conta deste modelo, a empresa não será listada no Novo Mercado. A empresa vai para o Nível 2 de governança da bolsa. Os administradores se comprometeram, no entanto, a adotar as melhores práticas previstas no regulamento do Novo Mercado da B3.

O conselho de administração da empresa a provou a homologação da conversão voluntária de 522,7 milhões de ações ordinárias de emissão em 52,2 milhões de ações preferenciais. A proporção é de 1 ação preferencial para cada 10 ações ordinárias.

A operação terá como coordenadores BTG Pactual, Bank of America, Itaú BBA e Santander Brasil.

O destino dos recursos

No prospecto inicial, a Track & Field afirma que usará os recursos da oferta primária para pagar dividendos e para investimento em sua plataforma de bem-estar. Além disso, vai investir em inovações tecnológicas e na cadeia de produção e centro de distribuição.

A longo prazo, o objetivo é fortalecer e aumentar o reconhecimento da marca (brand awareness). “Não só como protagonista no setor de varejo de artigos esportivos, mas como uma plataforma líder na propagação de um estilo de vida ativo e saudável”, diz a empresa.

Por fim, a empresa pretende ainda aumentar a participação das vendas na categoria de calçados esportivos e ampliar o número de lojas no país.