Investimento Não é Tudo Igual!

Filipe Teixeira
Filipe Teixeira é redator do Portal EuQueroInvestir. Gremista, filho dos anos 80, apaixonado por filmes, música, política e economia.É também Coordenador da área de Marketing do EuQueroInvestir.com e do EuQueroInvestir A.A.I assessores de investimentos.Me envie um e-mail: filipe.teixeira@euqueroinvestir.com Ou então uma mensagem por WhatsApp: (51) 98128-5585 Instagram: filipe_st

“Investimento não é tudo igual, entenda porquê”

Iguais, porém diferentes

Muita gente acha que investimento é tudo igual. Mas existem investimentos muito diferentes entre si.

Muita gente pensa que cangurus são todos iguais. Mas assim como no caso dos investimentos, existem cangurus muito diferentes entre si. Mais de 50, na verdade!

Podemos aplicar o mesmo raciocínio para a sua Assessoria Financeira, mas falaremos sobre isso mais tarde.

Neste artigo abordaremos alguns investimentos bem distintos entre si, no que diz respeito ao estilo de investidor mais indicado para cada um deles. Adivinhe: Existem estilos de investidor bem diferentes também!

[banner id=”teste-perfil”]

Para Cada Investidor, Um Estilo Diferente

Estilo Conservador

Investidores com este estilo, priorizam a segurança e a liquidez nos investimentos, em detrimento da busca por uma maior rentabilidade.

Com ênfase em investimentos com retornos previsíveis, como os de renda fixa. Em alguns casos pode ser incluído uma parcela muito pequena de renda variável, normalmente representados por ações ou câmbio

Estilo Moderado

Este é o estilo do investidor que gosta da segurança de investimentos de renda fixa, mas aceita uma “pitada” de risco na carteira de investimentos.

Geralmente esse investidor quer ter um retorno acima da média, sem correr grandes riscos. Fundos Multimercado e ações são exemplos de investimentos indicados para estilos moderados.

Estilo Balanceado

Este é o investidor que tem “estômago” para buscar ganhos mais expressivos, mesmo com algumas limitações para correr grandes riscos.

A diversificação é um pouco maior e por consequência, a exposição à renda fixa é menor.

Estilo Dinâmico

O estilo dinâmico, engloba quem não tem problema em correr riscos no curto e médio prazo e está ciente de que o retorno normalmente está ligado ao risco assumido.

Seus objetivos são de longo prazo, portanto a sua carteira pode estar sujeita a volatilidade durante o período este período.

Estilo Agressivo

Este é o tipo de investidor que busca obter o máximo de retorno possível, não levando em conta os riscos assumidos.

Normalmente toma decisões por conta própria, baseado em seu “feeling” e não segue regras ou parâmetros para investir.

Vamos Falar Sobre Investimentos

Agora que você já conhece os estilos possíveis de investidores, vamos falar a respeito de investimentos. Vou listar abaixo, alguns dos investimentos possíveis.

Aqui vai uma dica muito importante:

Exemplos de Alguns Tipos de Investimentos

CDB

O nome CDB vem de Certificado de Depósito Bancário, ou seja, um depósito em um banco, que vai gerar uma remuneração.

É um empréstimo às avessas onde você é quem empresta para o banco.

O fluxo é muito simples:

● Você define o valor que vai “depositar” no banco;
● O tempo que vai emprestar;
● A instituição vai lhe oferecer uma taxa de juros por este depósito.

Esta taxa de juros é expressa em um percentual do CDI, como por exemplo 94% do CDI.

Voltando à nossa ideia de que investimento não é tudo igual (nem os cangurus!), os CDBs também não o são! Eles podem ser divididos em Prefixados e Pós-fixados.

Prefixados

Pagam uma taxa fixa, prefixada, não interessando o movimento da Selic/CDI.

Ex: CDBs para um prazo de 2 anos pagando 10,31% a.a. superando um CDI 9,14% a.a. Em um cenário de queda dos juros, este CDB é muito recomendado, pois a cada baixa nos juros, melhor se torna a rentabilidade do investimento.

Pós-fixado

Já os Pós, são atrelados ao CDI, ou seja, são indicados para o cenário de alta dos juros.

Não sabe o que é CDI? Tudo bem, AQUI você fica por dentro de tudo.

Então quando se fala em CDB que paga 114% do CDI estamos nos referindo a um investimento que acompanha a taxa de juros, conforme a Selic/CDI cai, menos rentável se torna essa aplicação.

Não deixe de ler nosso artigo completo sobre CDB.

Tesouro Direto

Tesouro Direto é o nome do programa de venda de Títulos de Dívida Pública diretamente ao investidor, por isso o “Direto” no nome.

No Tesouro, você empresta o dinheiro diretamente para o Governo – O Tesouro Nacional, recebe o dinheiro corrigido no vencimento do contrato/título, ou recebe juros como um aluguel no caso do Tesouro IPCA+ (tipo de título).

Basicamente, podemos classificar estes títulos em 3 categorias:

 

 

Para entender melhor as características de cada título, leia nosso artigo completo.

Seu investimento em títulos do Tesouro Direto depende de algumas perguntas a serem respondidas.

Já que em cada caso, existe um tipo de título mais indicado para a compra…

  • Você vai levar o título até o Final?
  • Se Não:
    • A SELIC está em trajetória de alta?
    • Se Sim: Compre LFT
    • Se Não: Compre LTN, NTN-B Principal
  • Se SIM:
    • A inflação parece estar em alta?
    • Se Sim:
      • Você precisa de uma Renda Mensal?
      • Se Não: Compre NTN-B Principal
      • Se Sim: Compre NTN-B
    • Se Não:
      • Você precisa de uma Renda Mensal?
      • Se Não: Compre LTN
      • Se Sim: Compre NTN-F

LCI e LCA

Uma LCI é um tipo de investimento onde o Banco que o capta é obrigado a destinar o investimento para o Crédito Imobiliário, ou seja, quando você investe em uma LCI o Banco deve usar o seu dinheiro para financiar compradores de imóveis.

Da mesma forma acontece com uma LCA só que nesta, o Banco deve emprestar o seu dinheiro para o Crédito Agrícola.

A grande vantagem destes tipos de investimentos é que o Governo concede a eles isenção de Imposto de Renda, o que os torna extremamente competitivos em relação a outros investimentos como CDBs, Tesouro SELIC ou Fundos DI.

Leia nosso artigo completo sobre LCIs e LCAs.

COE – Certificado de Operações Estruturadas

O certificado de Operações Estruturadas – COE, é um título originado por um banco, assim como por exemplo um CDB.

A diferença entre o COE e o CDB, é que quando você investe em um CDB, empresta dinheiro diretamente para o banco que esta originando este título.

Um COE também é originado por um banco.

Ao contrário do CDB, seus recursos não vão para o caixa do mesmo (como um empréstimo) mas para uma cesta que envolve ativos de renda fixa e ativos de renda variável.

Estes ativos é que darão a segurança da estrutura e remunerarão do COE de acordo com suas características.

Quer saber maiores detalhes sobre os COEs? Leia nosso artigo completo CLICANDO AQUI.

Debêntures

As Debêntures funcionam como um CDB, que já estudamos neste artigo. Um CDB é do um empréstimo feito a um banco pelo investidor, com uma promessa de juros sobre o mesmo. A Debênture também é um empréstimo, mas para uma empresa não-financeira, ou seja, que não é um Banco.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

debentures

As formas de rentabilidade são bem variadas e dependem muito da empresa que lança as debêntures (assim como os CDBs dependem dos Bancos).

Normalmente a rentabilidade tem uma parte Fixa e outra atrelada a um índice de inflação, como o IPCA.

Você normalmente vai achar Debêntures rendendo IPCA + 6% até empresas que pagam IPCA + 8%. Os prazos normalmente vão de 3 a 5 anos. O comportamento das Debêntures é muito parecido com o comportamento dos Títulos do Tesouro do tipo Tesouro IPCA+( NTN-B Principal).

Muitas das empresas que emitem debêntures são até maiores que os tradicionais bancos comerciais onde estamos acostumados a depositar o nosso dinheiro sem sentir insegurança.

Para você ter uma ideia, uma empresa como a Vale é muito maior do que um grande banco como Bradesco por exemplo.

Outras vezes você tem a dívida (da debênture) alienada a um bem da empresa ou a uma garantia bancária, o que confere ainda mais segurança.

Quer saber mais sobre Debêntures, não deixe de ler nosso artigo completo.

Investimento em Bancos ou Corretoras?

A principal diferença em se investir entre corretoras ou bancos, é que normalmente a oferta é mais ampla nas corretoras, uma vez que oferecem aplicações de várias instituições financeiras, como bancos e gestoras de investimentos.

Por sua vez os bancos, se aproveitam do fato de ter um volume muito maior de clientes que, por comodidade, não buscam outras alternativas para investir.

Por terem acesso a um número maior de clientes, os bancos não fazem um esforço tão grande quanto as corretoras para atrair novos investidores.

Por essa razão, enquanto as corretoras buscam chamar atenção dos investidores oferecendo produtos com remunerações mais atrativas, os bancos, que já possuem milhões de clientes, não se esforçam muito para oferecer o mesmo.

Leia mais em nosso artigo: O mundo está mudando e a sua forma de Investir?

Espero que você tenha entendido o conceito de que para cada investidor, existe um melhor investimento, de acordo com o perfil de cada um.

[banner id=”03.02″]

[banner id=”05.01″]

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.