TIM (TIMP3) tem autorização para oferta por ativos móveis da Oi (OIBR3)

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Wikipedia

O Conselho de Administração do grupo TIM na Itália concedeu ao Diretor Executivo da companhia no Brasil (TIMP3) plenos poderes para examinar e aprovar os termos finais da aquisição de ativos móveis da Oi (OIBR3), conforme nota divulgada hoje (15).

De acordo com o comunicado, a decisão foi tomada, após o Conselho ter reconhecido e apreciado o trabalho realizado pela TIM Participações ao longo desses meses.

Em março, a TIM realizou uma proposta conjunta com Telefônica (VIVT4) para compra do serviço de telefonia móvel da concorrente Oi.

A proposta foi encaminhada ao assessor financeiro da Oi, o Bank of America Merrill Lynch (BofA). A proposta previa a compra total ou parcial do negócio, que seria dividido entre as duas empresas.

No entanto, no comunicado divulgado hoje, a TIM não detalha os termos da proposta, nem se mantém o acordo com a Telefônica.

Oi

A Oi informou em 15 de junho que a proposta de aditamento ao plano de recuperação judicial (PRJ) incluirá a venda da Oi Móvel.

De acordo com a operadora, foi definido como valor mínimo de venda da unidade o montante de R$ 15 bilhões.

O Aditamento prevê ainda a segregação de mais 3 UPIs de infraestrutura passiva: UPI Torres, UPI Data Center e operação de redes de telecomunicações.

Mas a Oi ainda precisa aprovar em assembleia de credores o aditivo ao plano da recuperação judicial que permitirá não apenas o desinvestimento da unidade móvel, mas também a separação estrutural da companhia.

A assembleia de credores está marcada para o próximo mês. Além disso, o aditamento ao plano precisará ser homologado.

Claro no páreo

Já segundo o site Telesíntese, Daniel Hajj, CEO da América Móvil, controladora da Claro Brasil, afirmou nesta quarta-feira (15) que a empresa vai participar do leilão de ativos móveis da Oi.

Segundo Hajl, há interesse na carteira de clientes e na aquisição de parte da capacidade da rede.

“Estamos atentos e interessados nos ativos. Seria um bom acréscimo. O que pudermos fazer com Oi para ter mais clientes e capacidade, seria bom. Então, vamos participar do leilão do lado móvel”, afirmou Hajj.

Mercado

A Oi é a quarta operadora de telefonia móvel do Brasil, com aproximadamente 16% de mercado. A líder é a Vivo, que detém 32,9%. Claro e Tim têm aproximadamente 24%.

Por fim, vale lembrar que Algar e Claro estão interessadas em arrematar os ativos da Oi.