TikTok: Trump nega extensão de prazo e estipula “dia D” para banir o app

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Foto: Divulgação

O presidente Donald Trump negou, nesta sexta (11), que esteja considerando ampliar o prazo dado para o app TikTok ser comprado por uma empresa dos EUA.

A ByteDance, companhia chinesa dona do aplicativo, tem até o próximo dia 15 de setembro para acertar sua negociação com uma “nativa” dos Estados Unidos. Caso contrário, o app será banido do país.

“Ou será fechado ou eles venderão. Não haverá prorrogação do prazo do TikTok. Será até 15 de setembro”, sentenciou, em coletiva de imprensa.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Ordens executivas de Trump têm datas conflitantes

De acordo com o portal G1, há dois prazos diferentes estipulados para que o TikTok seja negociado nos Estados Unidos de acordo com as ordens executivas assinadas por Trump.

O prazo da primeira ordem executiva emitida pelo presidente, na qual foi proibida qualquer transação de empresas americanas com a ByteDance, vence em 20 de setembro.

Além desta, no entanto, há uma decisão emitida em 14 de agosto pelo CFIUS (Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos) determinando a venda da operação americana do TikTok em 90 dias.

Esse prazo seria bem mais longo do que o “dia D” estipulado por Trump, pois venceria em meados de novembro.

Negociações envolvendo o TikTok

A batalha TikTok x Trump ganhou novo capítulo no fim de agosto, com a empresa do app ameaçando processar na Justiça contra o governo norte-americano.

A ByteDance estava em negociações com alguns interessados em comprar o app para mantê-lo atuante nos EUA, como Microsoft, Walmart e Oracle, mas foi surpreendida por questões regulatórias que travaram o negócio.

Considerado um ativo atraente, o algoritmo do TikTok foi proibido de ser vendido após a China protocolar uma lei vetando a venda de tecnologias, incluindo algoritmos.

Por conta disso, especialistas acreditam que a suposta venda do TikTok nos Estados Unidos só poderia ser fechada com a aprovação prévia do governo de Pequim, algo que é considerado complicado.

Motivo de segurança

Em matéria publicada pelo Business Insider, o presidente Donald Trump voltou a repetir que a intenção de fechar o TikTok nos EUA é “por razões de segurança”.

Trump teme que o governo chinês use o aplicativo, um dos mais baixados do mundo, para espionar informações de seus usuários.

A Índia, que também vive clima tenso com a China por conta da política, já anunciou o banimento do chat de todo o seu território.

O mesmo caminho pode ser seguido por Donald Trump dentro de 4 dias, se não houver acordo entre a ByteDance e os interessados no TikTok.

TikTok: China aperta regras e pode frear app nos EUA