AES Tietê (TIET4) lucra 21,5% a mais no balanço do primeiro trimestre

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

A AES Tietê (TIET4) reportou no primeiro trimestre de 2020 um lucro de R$ 75,30 milhões.

Os números representam um avanço de 21,5% frente ao mesmo período de 2019, quando atingiu R$ 62 milhões.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

No mesmo período, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Tietê atingiu R$ 312,8 milhões, resultado 18,3% superior à igual intervalo de 2019.

Já a margem Ebitda foi de 63,3%, configurando uma alta de 9 pontos percentuais.

Segundo a companhia, o avanço do Ebitda se deve “principalmente ao incremento da margem líquida consolidada em R$ 56,1 milhões em função dos resultados trazidos pela fonte hídrica e à entrada em operação do complexo solar Ouroeste”.

A receita operacional líquida somou R$ 494,4 milhões, correspondendo a um incremento de 1,6% nos números. Entre janeiro e março de 2019 a receita foi de R$ 486,8 milhões.

Já o resultado financeiro líquido registrado pela Companhia no primeiro trimestre de 2020 foi uma despesa de R$118,5 milhões, 31,2% maior do que a despesa de R$90,3 milhões registrada no primeiro trimestre de 2019.

Dívidas e Investimentos

A dívida líquida consolidada da AES Tietê encerrou 31 de março de 2020 em R$ 2,86 milhões, montante inferior em 4,6% à posição registrada no mesmo período do ano anterior (R$ 3 milhões).

O índice de alavancagem (Dívida Líquida / Ebitda Ajustado) encerrou o primeiro trimestre em 2,64x, enquanto o índice de cobertura de juros (Ebitda Ajustado / Despesas Financeiras) fechou em 2,74x.

A Companhia declarou ainda que prevê investir cerca de R$ 1,4 bilhão no período entre 2020 até 2024.

Os investimentos serão destinados à modernização e manutenção de ativos em operação e à expansão, com destaque para o início da construção do complexo Eólico Tucano, com previsão de início de obras em janeiro de 2021.

 

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3