Tesouro Direto: taxas dos títulos recuam nesta segunda

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

As taxas dos títulos do Tesouro Direto caem nesta segunda-feira (27) na comparação às oferecidas na sexta-feira (24).

A maioria dos títulos apresentaram correções para baixo. As exceções foram o Tesouro IPCA+ 2035 e 2045.

TesouroInvestimento MínimoTaxa (% a.a.) 24/07/2020Taxa (% a.a.) 27/07/2020Variação (p.p.)
Prefixado 2023R$ 36,47 4,05%3,88%-0,17
Prefixado 2026R$ 36,41 6,11%6,02%-0,09
Prefixado 2031 juros semestraisR$ 37,106,83%6,80%-0,03
Selic 2025R$ 106,550,03%0,03% 0,00
IPCA + 2026R$ 58,102,18%2,15%-0,03
IPCA +2035R$ 39,443,55%3,56%+0,01
IPCA + 2045R$ 41,743,55%3,56%+0,01
IPCA + juros semestrais 2030R$ 42,792,86%2,85%-0,01
IPCA + juros semestrais 2040R$ 44,993,62%3,60%-0,02
IPCA + juros semestrais 2055R$ 47,303,82%3,79%-0,03

Cenário Interno

Pela quarta semana consecutiva, a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) é de leve melhora. A leitura do mercado foi de queda de 5,95% na semana passada para queda de 5,77% nesta semana. Há quatro semanas, a leitura era de -6,54%.

No primeiro trimestre de 2020, a economia brasileira caiu 1,5%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Focus apresentou queda na expectativa para a inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ele ficou em 1,67%, ante 1,72% da semana passada. Há quatro semanas, era de 1,63%.

A meta do governo para o ano é de inflação de 4%. O IPCA-15, que é considerado uma prévia da inflação, foi divulgado na última sexta-feira (24), e registou variação mensal de 0,30% em julho, abaixo do projetado de 0,51%. A variação anual ficou em 2,13%, também abaixo da expectativa de 2,36%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-Fipe), indicador de inflação que mede a variação de preços na cidade de São Paulo, recuou de 0,33% para 0,22% na terceira leitura do mês. Esta é a segunda queda no indicador no mês – na primeira leitura, o resultado foi 0,40%.

Na comparação com a última quadrissemana apurada, houve avanço nos preços de Transportes (de 0,53% para 0,59%), Habitação (0,34% para 0,40%) e Saúde (0,61% para 0,66%).

Em sentido contrário, Alimentação (de 0,28% para 0,18%), Despesas Pessoais (0,36% para 0,13%), Vestuário (-0,13% para -1,07%) e Educação (-0,07% para -0,54%) registraram queda.