Tesouro Direto: taxas dos títulos operam mistos nesta quarta

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Banco de Imagens Pixabay/By Steve Buissinne.

As taxas dos títulos do Tesouro Direto operam mistos nesta quarta-feira (22) na comparação às oferecidas na terça-feira (21).

Os títulos do Tesouro apresentaram correções tanto para baixo como para cima.

TesouroInvestimento MínimoTaxa (% a.a.) 21/07/2020Taxa (% a.a.) 22/07/2020Variação (p.p.)
Prefixado 2023R$ 36,24 4,06%4,13%+0,07
Prefixado 2026R$ 36,31 6,01%6,06%+0,05
Prefixado 2031 juros semestraisR$ 37,446,59%6,65%+0,06
Selic 2025R$ 106,530,03%0,03% 0,00
IPCA + 2026R$ 57,732,24%2,25%+0,01
IPCA +2035R$ 39,193,63%3,60%-0,03
IPCA + 2045R$ 41,313,63%3,60%-0,03
IPCA + juros semestrais 2030R$ 42,572,93%2,91%-0,02
IPCA + juros semestrais 2040R$ 44,633,67%3,66%-0,01
IPCA + juros semestrais 2055R$ 46,873,84%3,84%0,00

Cenário Interno

Na terça-feira (21), o ministro da Economia Paulo Guedes entregou ao Congresso o texto do que se pretende ser a primeira parte da Reforma Tributária.

A proposta é de uma alíquota única de 12%, a partir da unificação do PIS/Cofins. A tributação para as instituições financeiras será menor, de 5,8%.

O presidente Jair Bolsonaro enviou ao Congresso Nacional uma mensagem para pedir que a reforma tramite em regime de urgência.

Ontem também, o governo sofreu derrota no Congresso em relação à participação no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que financia a educação básica no país. A Câmara aprovou o aumento de 10% para 23% nos recursos que vêm da União até 2026. A proposta segue agora para o Senado.

Ainda na seara política, o novo teste do presidente para coronavírus deu positivo e ele deve permanecer em isolamento.

prévia da Sondagem da Indústria, da FGV, trouxe boas novas: em julho, o Índice de Confiança da Indústria deve chegar 90,1 pontos. Em junho, foi de 77,6.