Tesouro Direto: estoque supera os R$ 61 bilhões

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Tesouro Direto

O ministério da Economia divulgou nesta terça-feira (23) o balanço do Tesouro Direto e, em maio, o estoque do programa fechou em R$ 61,18 bilhões, um aumento de 1,5% em relação ao mês anterior, que tinha R$ 60,24 bilhões. As vendas atingiram R$ 2,125 bilhões. Os resgates totalizaram R$ 1,365 bilhão, sendo R$ 1,307 bi relativos a recompras e R$ 57,9 milhões, a vencimentos.

Segundo o ministério, o título mais demandado pelos investidores foi o Tesouro Selic, cuja participação nas vendas foi a 50,2%.

Já os os títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) são a 29,6% do total e os prefixados, 20,2%.

Detalhamento do estoque

Dos R$ 61,18 bilhões em estoque, os títulos remunerados por índices de preços se mantêm como os mais representativos, somando R$ 29,84 bilhões, ou 48,8% do total.

Na sequência, vêm os títulos indexados à taxa Selic, totalizando R$ 20,38 bilhões, ou 33,3%; e os títulos prefixados, que somaram R$ 10,97 bilhões, com 17,9% do total.

“Quanto ao perfil de vencimento dos títulos em estoque, a parcela com vencimento em até 1 ano fechou o mês em R$ 5,35 bilhões, ou 8,7% do total. A parcela do estoque vincendo de 1 a 5 anos foi de R$ 36,92 bilhões (60,3%) e o percentual acima de 5 anos somou R$ 18,91 bilhões (31%)”, informa o ministério.

Investidores no Tesouro Direto

Em maio, o total de investidores ativos no Tesouro Direto é de 1.275.413, um aumento de 28.075 investidores no mês. Isso representa 2,25% a mais que abril.

O número de investidores cadastrados no programa cresceu 247.419, ou 3,65% na comparação com abril de 2020.

Agora, o total é de 7.016.194 pessoas. É um acréscimo de 67,3% nos últimos doze meses.

As aplicações de até R$ 1 mil representaram 65,27% das operações de investimento no mês. O valor médio por operação foi o de R$ 5.703,43.

Rentabilidade

O destaque fica para o título Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2031, que registrou variação de 3,87%.

O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2055 ganhou 3,26% no mês. E o Tesouro Prefixado 2026, com vencimento em 1º de janeiro de 2026, 2,88%.

A rentabilidade acumulada em doze meses dá destaque para o título Tesouro Prefixado 2023, que obteve alta de 16,71%.

O Tesouro Selic 2025, com vencimento em 1º de março de 2025, paga em 12 meses 4,82%.