Tesouro Direto: emissões em junho superam resgates em R$ 330 milhões

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Crédito da imagem: Reprodução/Internet

As emissões de títulos do Tesouro Direto no mês de junho superaram os resgates em R$ 330 milhões, segundo informações do Tesouro Nacional.

Tesouro Direto: Veja como funciona e quais títulos escolher

De acordo com o órgão, foram realizadas 405.828 operações de investimentos em títulos no período, totalizando R$ 2,05 bilhões.

Simule seus rendimentos de acordo com seu potencial de investimento.

O mês de junho registrou, no total de resgates, a soma de R$ 1,72 bilhão, o que rendeu a emissão líquida de R$ 330,14 milhões entre os dias 1 e 30 do mês passado.

Indexação à Selic dominou Tesouro

O relatório divulgado nesta segunda-feira (27) apontou ainda que as aplicações de até R$ 1 mil foram responsáveis por 67% das operações em junho.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

O valor médio das transações, por sua vez, foi maior, e ficou em R$ 5.056,28.

A indexação dos títulos à taxa Selic (Tesouro Selic) foi a escolha da maioria dos investidores, somando 50% das vendas, o equivalente a R$ 1,03 bilhão.

Na sequência vieram os títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), com R$ 590,97 milhões (28,8% do total), e os títulos prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais), que  totalizaram R$ 434,61 milhões em vendas, ou 21,2% do total.

Os resgates antecipados (ou recompras), também tiveram a prevalência dos títulos indexados à taxa Selic, que somaram R$ 1,03 bilhão (59,9%).

Na sequência vieram os títulos remunerados por índices de preços, totalizando R$ 453,66 milhões (26,3%) e os prefixados, que somaram R$ 237,39 milhões (13,8%).

Prazo mais curto foi o preferido

O relatório do órgão informou que 55% das vendas se concentraram no prazo mais curto, com vencimento entre 1 e 5 anos.

Na sequência vieram as aplicações em títulos com vencimentos acima dos 10 anos (26,8%) e, enfim, nos títulos com vencimento de 5 a 10 anos, que corresponderam a 18,2% do total.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Investidores cadastrados crescem

Segundo o relatório, o total de investidores ativos no Tesouro Direto ganhou 396.697 investidores novos no mês de junho.

Isso fez o número total saltar para 7.412.891, aumento equivalente a 70,4% em relação aos últimos 12 meses.

“O número de investidores ativos chegou a 1.298.767, uma variação de 21% nos últimos doze meses. No mês, o acréscimo foi de 23.354 novos investidores ativos”, complementou a instituição, em nota.

Segundo o Tesouro, os títulos remunerados por índices de preços se mantêm como os mais representativos do estoque somando R$ 30,11 bilhões, ou 48,7% do total.

“Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 33% e, por fim, os títulos prefixados, com 18,2%”, concluiu o Tesouro, em seu relatório.

Planilha de Açõesbaixe e faça sua análise para investir