Tenda (TEND3) registra recorde de vendas brutas na prévia do 2TRI

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação / Facebook

Os dados operacionais do segundo trimestre de 2020, divulgados nesta quinta (16) pela Tenda (TEND3), mostram bons sinais de recuperação.

“A retomada gradual nas aprovações (órgãos municipais e estaduais) e nos registros (cartórios) em todo o Brasil contribuiu para o aumento do número de lançamentos no trimestre”, informou a companhia em comunicado.

Desse modo, as vendas brutas da Tenda no segundo trimestre deste ano totalizaram R$ 689,2 milhões.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Isso representa um avanço de 28,4% sobre a base anual. Já na comparação com o trimestre anterior, o incremento foi de 27,4%.

Segundo a companhia, “Trata-se do melhor trimestre em vendas brutas na história da Tenda.”

Fonte:Tenda

Já as vendas líquidas totalizaram R$ 576,4 milhões entre abril a junho de 2020. Na comparação com igual período de 2019, a alta foi de 20,1%.

Em comparação com o primeiro trimestre de 2020, o avanço foi de 31,1%t, resultando em VSO (vendas sobre oferta) líquido de 30,4% no 2T20.

Lançamentos

Do mesmo modo, os lançamentos para o segundo trimestre de 2020 aumentaram 6,4% na comparação anual e 280% na comparação com o trimestre anterior.

Houve lançamentos em 6 das 9 regiões metropolitanas de atuação.

Sendo 4 empreendimentos no RJ (24,9% do VGV total lançado no 2T20), 3 na BA (23,5% do VGV) e 2 em SP (22,2% do VGV).

A média de unidades por empreendimento lançado na BA e em SP no segundo trimestre de 2020 foi de 394 unidades/empreendimento. Nas nas demais regiões foi de 286 unidades/empreendimento.

Distratos

Segundo a Tenda, o nível de distratos sobre vendas brutas (16,4% no 2T20) continuou bastante superior à média dos dois últimos anos (média de 9,2% entre 2018 e 2019).

Assim como ocorreu no primeiro trimestre de 2020, o alto índice de distratos está ligado às vendas não-repassadas nos períodos em que houve impasse entre os agentes do MCMV (minha casa minha vida) na alocação de recursos para o programa.

No entanto, mesmo com os distratos no ano até agora, ainda há backlog de repasse de vendas realizadas desde o início de 2020, informou a companhia.