Tenda (TEND3) registra queda de 44,8% no lucro no 2TRI20

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.

Crédito: Divulgação

A Tenda (TEND3) registrou um lucro líquido de R$ 40,3 milhões no segundo trimestre de 2020, um desempenho 44,8% inferior ao mesmo período de 2019.

De acordo com a Tenda, o desempenho foi afetado pelo menor andamento dos projetos após interrupção de algumas obras em função da Covid-19 e resultado financeiro negativo devido ao aumento dos spreads das novas dívidas.

A geração de caixa operacional de R$ 71 milhões no trimestre.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 6,3 milhões, revertendo um resultado positivo de R$ 2,4 milhões.

As despesas operacionais somaram R$ 105,6 milhões no período, um aumento de 21,9%.

Lançamentos crescem 6,4%

A Tenda lançou 14 empreendimentos do trimestre, VGV de R$ 630,2 milhões, um aumento de 6,4%.

As vendas líquidas foi de R$ 576,4 milhões no trimestre, uma elevação de 20,1%.

Enquanto a velocidade vendas (VSO) líquida foi de 30,4%, alta de 1,5 p.p.

O banco de terrenos atingiu R$ 10,69 bilhões em VGV no trimestre, um aumento de 12,5%.

Ebtida cai 24,1%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 72,3 milhões, uma diminuição de 24,1%.

A margem Ebtida ajustado atingiu 13,7%, uma queda de 5,7 pontos percentuais.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) foi de 14,9%, baixa de 4,4 p.p.

Receita

A receita líquida atingiu a cifra de R$ 526,1 milhões no período, um aumento de 7,6% na comparação com igual período de 2019.

Conforme a Tenda, o desempenho foi impactado pelo crescimento das vendas líquidas e da ligeira reversão para perdas estimadas em créditos de liquidação duvidosa (PCLD).

O lucro bruto ajustado totalizou R$ 169,8 milhões, uma diminuição de 3,7%.

Enquanto a margem bruta ajustada ficou em 32,3%, baixa de 3,8 pontos percentuais.

Dívida Tenda

O caixa líquido da Tenda encerrou o segundo trimestre em R$ 187,7 milhões.

A alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida / Patrimônio líquido, ficou em 13,3% no final do trimestre, alta de 3,7 p.p.

Perspectivas

No curto prazo, o lucro líquido da Tenda ainda deve ser impactado por adversidades oriundas da Covid-19.

De acordo com o documento, a perda de preço e de produtividade no auge da pandemia ainda deve transitar pelo resultado da companhia até a entrega das unidades impactadas.

Já as despesas com vendas ainda devem se manter em níveis sub-ótimos devido à baixa frequência dos clientes nas lojas físicas.

Além disso, as despesas financeiras devem permanecer elevadas em função das iniciativas de preservação de liquidez.