Teich anuncia ampliação de testes contra coronavírus e “saída progressiva” do isolamento

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Twitter

O Brasil começará a sair “progressivamente” do isolamento social, como anseia o presidente Jair Bolsonaro. Palavras de Nelson Teich.

O novo Ministro da Saúde gravou um vídeo na segunda-feira explicando os próximos passos do País na luta contra a pandemia de coronavírus.

De acordo com Teich, o Ministério da Saúde está trabalhando para criar um programa de saída “progressiva, estruturada e planejada” da quarentena adotada por praticamente todos os Estados, e contestada por Bolsonaro.

Testes em massa

O primeiro passo para diminuir o isolamento social consiste no aumento expressivo da testagem contra o coronavírus em todo o País.

Teich assegurou que o Brasil vai praticamente dobrar não apenas a testagem, mas também a capacidade de processamento dos exames.

A demora em obter os resultados dos pacientes é, no momento, uma das principais dificuldades para mapear a real situação do vírus no País.

De acordo com Teich, a capacidade de testagem do Brasil pulará de 24 para 46 milhões de testes, praticamente dobrando o número existente hoje.

O Ministro da Saúde vem defendendo, desde que substituiu Luiz Henrique Mandetta, que o aumento da testagem é essencial “para entender melhor a evolução da Covid-19 no Brasil e fazer um projeto para a revisão do distanciamento social”.

Novo laboratório

O vídeo de Teich também serviu para anunciar o contrato do governo com o laboratório Dasa para ajudar no processamento dos testes para detecção do novo coronavírus.

Segundo o ministro, o Dasa terá capacidade para analisar 30 mil testes da Covid-19 diariamente, até alcançar 3 milhões de exames.

A CNN Brasil informou que o contrato foi fechado sem licitação, dispensada com base na lei 13.979/2020, sobre medidas de emergência para combater a pandemia.

A chegada do laboratório Dasa servirá para desafogar essa interminável fila de exames, já que, de acordo com Teich, hoje no Brasil a capacidade de análise é “notadamente insuficiente para o controle da epidemia”.

Coronavírus no Brasil

O último boletim do Ministério da Saúde, divulgado na tarde de segunda (20), atualizou os números da Covid-19 no Brasil.

O país registrou, até o fim da tarde, 40.581 testes positivos e 2.575 mortos em decorrência do novo coronavírus.

O aumento foi de 1.927 casos com relação ao dia anterior e 113 mortes em um só dia.

A taxa de mortalidade segue caindo, chegando a 6,35%. No mundo, é de 6,87%.

O pais é agora o segundo do mundo em casos considerados críticos da doença, com 7.919, atrás apenas dos Estados Unidos, com 13.634.

O Brasil é o 11º em número de casos confirmados. Isso porque testa muito pouco: há uma proporção de 296 testes para cada 1 milhão de habitantes. Esse número pode indicar dados desatualizados no boletim do governo.

Doria anuncia na quarta-feira abertura gradual do comércio em São Paulo