Tecnisa (TCSA3) aprova AGEs sobre proposta de fusão da Gafisa (GFSA3)

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Tecnisa (TCS3) recebe proposta inesperada de Gafisa (GFSA3)

A Tecnisa (TCSA3) reuniu os membros do Conselho de Administração para examinar o pedido do Bergamo Fundo de Investimento de convocação de assembleia geral extraordinária (AGE) da companhia.

O objetivo é analisar os levantamentos, avaliações e informações elaborados pela administração e pelos assessores jurídicos e financeiros em relação, dentre outras matérias, à potencial combinação de negócios com a Gafisa (GFSA3), conforme apresentada pelo Bergamo.

O fundo é controlado pela Gafisa.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

E, então, deliberar sobre a proposta do Bergamo para a substituição dos dispositivos estatutários (poison pill) que coíbem a aquisição de participação relevante na Tecnisa, bem como para a alteração de regras relativas à alienação do controle acionário, ao cancelamento do registro de companhia aberta e à saída do segmento do Novo Mercado da B3.

O Bergamo tem ainda proposta de aumento do capital social no montante de R$ 500 milhões.

A definição dos procedimentos seria fruto de negociações entre as administrações de ambas as sociedades, de acordo com a Gafisa, que tem 3,1% do capital social da Tecnisa.

O pedido foi feito pela Gafisa, através do Bergamo, na semana passada.

Assembleia Geral aprovada

Com a aprovação da AGE, ela será realizada de modo digital.

O edital de convocação será publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo e no jornal Folha de S.Paulo.

Localiza (RENT3) celebra acordo de leniência de R$ 750 mil com a CGU e a AGU

Localiza (RENT3) informou nesta terça-feira (25) que, antes da empresa adquirir a antiga controladora indireta da Car Rental, sediada na França, identificou certas atividades no Brasil, ocorridas no ano de 2010, que suscitaram preocupações sob o U.S. Foreign Corrupt Practices Act (FCPA) e a legislação brasileira anticorrupção.

“Tais fatos envolveram práticas de terceiros contratados para prestar serviços à Car Rental no ano de 2010, antes, portanto, da aquisição da empresa pela Localiza, que ocorreu somente em 2017”, disse a companhia em nota.

Antes de ser adquirida pela Localiza, a Car Rental e sua antiga controladora denunciaram tais condutas às autoridades brasileiras e estadunidenses aplicáveis, sem que qualquer medida tenha sido imposta pelas autoridades norte-americanas.

No entanto, no Brasil, iniciou-se uma negociação confidencial com a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU).

A partir daí, a Localiza, “como nova controladora da Car Rental e por ter interesse na conclusão das negociações com brevidade, ingressou nessas negociações como parte interveniente”, explicou.

Foram celebrados, então, pela Car Rental, na condição de colaboradora, bem como pela Localiza, sua subsidiária Localiza Fleet e pela Hertz France, as três últimas na condição de intervenientes, um acordo de leniência com os órgãos federais.

Assim, a Localiza assumiu determinadas obrigações “típicas de aprimoramento do seu Programa de Integridade, que passou a ser também aplicável à Car Rental, após a sua aquisição em 2017”.

“A Localiza informa que, no contexto da aquisição da Car Rental, a antiga controladora da sociedade assumiu a responsabilidade de indenização da Localiza por quebras das regras de compliance ocorridas anteriormente à aquisição pela Localiza”.

O valor em questão é de aproximadamente R$ 750 mil.000,00 a ser pago às autoridades brasileiras e que não causará impacto para a Localiza.