Taxa de juros real: qual a importância e como calcular?

Carla Carvalho
Graduada em Ciências Contábeis pela UFRGS, pós-graduada em Finanças pela UNISINOS/RS. Experiência de 17 anos no mercado financeiro, produtora de conteúdo de finanças e economia.

Crédito: Pixabay

13A taxa de juros real (ou juro real) é o que efetivamente mostra quanto rende um investimento. Isso porque ela desconta do rendimento o impacto que a inflação causa no período em que os recursos estiveram investidos.

Em períodos de inflação alta, ficar atento ao juro real de um investimento é ainda mais importante. Se você já investe, ou está pensando em dar os primeiros passos para formar as suas reservas, provavelmente já ouviu falar sobre o rendimento negativo da poupança nos últimos tempos.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Para entender o que isso significa, continue a leitura e saiba como calcular o juro real dos investimentos!

Taxa de juros real x taxa de juros nominal: entenda a diferença

Quando você adquire um título, como um CDB, a instituição financeira informa a taxa de juros nominal do investimento (5% ao ano, ou 99% do CDI, por exemplo).

No entanto, essa taxa não corresponde efetivamente ao rendimento da aplicação, pois ela não considera os efeitos da inflação. Digamos que, no primeiro ano de vigência do CDB, a inflação tenha sido de 7% ao ano. Nesse caso, a remuneração do investimento teria perdido para a inflação. Ou seja, o juro real da aplicação foi negativo.

Em outras palavras, você só terá ganho de fato com o investimento se a taxa real superar a inflação do período. Por isso, é muito importante saber calcular o juro real.

Como calcular o juro real

Para calcular o juro real, são necessários dois componentes: a taxa de juros nominal e a inflação do período analisado.

Como vimos, a taxa de juros nominal é aquela informada no momento que é feito o investimento. Já a inflação pode ser obtida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), índice da inflação oficial brasileira divulgado todos os meses pelo IBGE.

Imagine que a rentabilidade divulgada de um determinado investimento tenha sido de 8% ao ano. No mesmo período, a inflação medida pelo IPCA foi de 6%. De posse dessas duas informações, você pode calcular o juro real desse investimento.

A fórmula do juro real é a seguinte:

juro real = (1 + juro nominal) / (1 + inflação) – 1

Conforme o exemplo acima, temos:

juro nominal: 8/100 = 0,08

inflação: 6/100 = 0,06

Agora, basta substituirmos os resultados acima na fórmula, e teremos o seguinte:

(1 + 0,08) / (1 + 0,06) – 1 = (1,08) / (1,06) – 1

juro real: (1,01886 – 1) x 100 = 1,886%

Rendimento real da poupança

A poupança encerrou o ano de 2020 com rendimento acumulado de 2,11%. Já a inflação do ano passado, medida pelo IPCA, foi de 4,52%.

O juro real negativo da poupança permanece em 2021. Até julho desse ano, a caderneta rendeu 1,43%, contra um IPCA de 4,88% no mesmo período. Ou seja, se você ainda tem dinheiro na poupança, saiba que os seus investimentos continuam perdendo para a inflação.

Deu para perceber que não adianta somente observar a taxa nominal dos investimentos, certo? Para garantir que o seu patrimônio não sofrerá perdas com a inflação, é extremamente importante comparar os juros reais dos investimentos antes de tomar qualquer decisão em relação aos seus recursos.

E onde investir em tempos de inflação alta?

Em momentos de alta dos preços, a melhor forma de proteger o dinheiro é procurar investimentos atrelados a índices inflacionários. Nos últimos tempos, o Tesouro IPCA+ tem ganhado destaque entre os investidores que buscam proteger o patrimônio da desvalorização causada pela inflação. Além disso, o Tesouro Direto é o investimento mais seguro do mercado, pois conta com a garantia do governo federal.

Clique no link abaixo, e saiba mais sobre como funciona e quais os rendimentos do Tesouro IPCA+

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3