Taxa de inflação em outubro é a menor registrada desde 1998

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.

Após registrar deflação em setembro, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) para outubro subiu para 0,10%.

Apesar da alta, este é o menor resultado registrado nos últimos 21 anos para o mês de outubro, quando o IPCA ficou em 0,02%.

O IPCA é o indicador usado como referência para a apuração da taxa de inflação oficial no país. No acumulado do ano de 2019, o IPCA alcançou 2,60%.

Já nos últimos 12 meses, a variação registrada foi de 2,54%. Com os resultados apresentados, pode-se dizer que a inflação está abaixo da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Isso porque o CMN estabeleceu uma meta de inflação para 2019 de 4,25%, com intervalo de tolerância de 1,5% para cima ou para baixo. Nestes termos, o valor mínimo da meta é de 2,75%, que está acima dos 2,54% acumulado nos últimos 12 meses.

Desde 1980, o IBGE é o órgão responsável por medir o IPCA. Sendo que a população de análise são famílias com renda até 40 salários mínimos. Distribuídas em 10 regiões metropolitanas, além de mais seis municípios do país.

 

Por que o IPCA vem caindo?

Uma série de fatores relacionados dentro de um determinado contexto econômico podem contribuir para a queda do IPCA. Entre eles, atualmente podemos citar:

  • Queda nos preços: No relatório divulgado pelo IBGE para outubro, três setores econômicos apresentaram queda: habitação (-0,61%), artigos de residência (-0,09%) e comunicação (-0,01%).
  • Mercado mais otimista: O Bacen, através do boletim Focus divulgado toda semana, vem reduzindo de forma gradual a estimativa para o IPCA de 2019. Para isso, contribuem a melhora no desempenho de indicadores como PIB e Taxa Selic.

 

O que o governo fez para garantir a taxa de inflação?

Para manter a inflação sob controle, o Brasil adota desde 1999 o regime de metas para a inflação.

Através deste sistema, o Banco Central atua para que a inflação efetiva esteja alinhada com a meta pré-definida.

Para que isso aconteça, a meta para a inflação é anunciada publicamente e serve de âncora para as expectativas dos agentes sobre a inflação futura.

Esse sistema permite que qualquer desvio da inflação em relação à meta sejam corrigidos ao longo do tempo.

Qual o impacto no mercado?

Uma inflação baixa, estabilizada e previsível acaba trazendo muitos benefícios para a população.

Primeiramente, a queda na taxa de inflação aumenta o poder de compra, pois a moeda não perde muito valor. Em outras palavras, o dinheiro não é corroído pela inflação.

Além disso, o país pode crescer mais, tendo em vista que as incertezas na economia serão menores.

Outro ponto a ser considerado é que as pessoas conseguem planejar melhor seu futuro em um ambiente onde a renda real não é corroída pela inflação.

Leia mais:

Selic baixa: por que o crédito não ficou mais barato?

Títulos do tesouro: o que fazer quando eles vencem?