Surto de Covid-19 derruba vendas da Apple nos Estados Unidos

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

Não são apenas as pequenas empresas que estão sofrendo com a crise causada pelo novo coronavírus. Nos Estados Unidos, até a gigante Apple já acusou o golpe.

Dados do mês de março compilados pela Counterpoint Research e divulgados pelo site GSMArena revelaram que a gigante de eletrônicos registrou queda de 48% em suas vendas nos Estados Unidos.

A consultoria informou que, entre os dias 23 e 29 de fevereiro, antes do início da pandemia da Covid-19, a empresa Cupertino vendeu aproximadamente 3 milhões de iPhones, mas que o volume caiu para menos da metade na semana entre 23 e 29 de março.

A previsão é que a queda apresente números ainda maiores na próxima aferição, que medirá o volume de vendas da Apple em território norte-americano entre os dias 5 e 11 de abril, semana na qual os níveis de contaminação estavam em alerta máximo.

Lojas fechadas

Boa parte da queda das vendas da Apple pode ser atribuída ao fechamento de aproximadamente 60% de todas as lojas de operadoras dos Estados Unidos.

Segundo a pesquisa, 75% das lojas T-Mobile e Sprint de todo o país baixaram as portas, assim como as da Apple, que seguem fechadas nas últimas quatro semanas.

CEO mantém otimismo

Tim Cook, Ceo da Apple, disse que a pandemia representa um “momento incerto e estressante”, porém, expressou otimismo que a empresa sairá mais forte da crise, como aconteceu depois da recessão de 2008 e após quase pedir recuperação judicial no fim dos anos 90. As informações são da Bloomberg.

Cook disse que a companhia “não é imune às tendências econômicas mundiais”, mas que a Apple entrou na crise do coronavírus com um forte balanço.

A empresa continuará investindo de “maneira realmente significativa” em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e produtos futuros, segundo funcionários da Apple que participaram da reunião.

Samsung e LG

O levantamento da consultoria apontou que, além da Apple, as outras duas marcas mais fortes no mercado de smartphones dos Estados Unidos, as coreanas Samsung e LG, também acusaram o golpe com a crise do coronavírus.

A Samsung, no entanto, conseguiu se recuperar um pouco com o lançamento global da linha Galaxy S20, modelo similar ao mais moderno iPhone lançado mundialmente.

Coronavírus nos EUA

Os Estados Unidos têm, até esta quarta-feira (22) pela manhã, 825.306 casos confirmados da Covid-19 no País, com 45.075 óbitos – 14.887 somente em Nova York.

A Johns Hopkins Universtity mantém um gráfico atualizado online e, segundo os dados mais recentes, 120.665 cidadãos permanecem hospitalizados nos EUA por causa do coronavírus, enquanto 75.673 já se recuperaram da Covid-19.

Estados Unidos anunciam 4º pacote para aliviar impactos do coronavírus na economia