Startup de Bitcoin Rípio ganha programa de aceleração Visa no Brasil

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação/Visa

O braço brasileiro da startup argentina Ripio saiu vencedora do programa de aceleração Visa, nesta segunda-feira (17), no auditório do MASP, em São Paulo. A empresa foi a única acelerada do ecossistema de criptomoedas.

Durante a premiação, Ricardo Da Ros, country manager da Ripio Brasil, divulgou 3 novos produtos da empresa que devem ser implementados até junho deste ano. Com informações do Portal Bitcoin.

O cartão da startup com bandeira Visa, com o qual clientes poderão realizar pagamentos em bitcoins em estabelecimento credenciados a rede.

Descubra novos caminhos para multiplicar seu patrimônio. Aprenda hoje a investir R$ 300 mil com os melhores desempenhos.

Também será lançado o Visa Direct, que vai permitir transferência 24 horas por dia, 7 dias por semana através da plataforma da Rípio. Ou seja, possibilitar compras de criptomoedas fora do expediente bancário.

A última novidade consiste em permitir aquisição de bitcoin com qualquer cartão de crédito independentemente da bandeira.

Para Ros, o programa possibilitou uma relação mais próxima com executivos e facilitou o caminho para ofertar os serviços à Visa.

“Somos do mundo cripto, mas estamos trazendo o mercado o tradicional. Fomos a startup que mais aproveitou o programa para criar produtos com a Visa”, afirmou ao Ros.

Programa

Segundo a Visa, “o programa de aceleração Visa é uma iniciativa da Visa do Brasil e tem como objetivo fomentar o ecossistema de startups no país e promover o empreendedorismo, inovação, talento e tecnologia. Além do objetivo de acelerar, a Visa tem o papel de auxiliá-las em sua atuação junto ao mercado e gerar conexões e negócios”.

A operadora procura empresas com soluções disruptivas, que melhorem a experiência dos clientes e usuários finais ou proporcionem ganho de eficiência operacional (B2B, B2C ou B2B2C). “As fintechs/startups devem, necessariamente, estar em fase de crescimento ou escala”.

Os interessados no programa de 2020 podem se inscrever até o dia 13 de março.