Small caps (SMLL): setor financeiro tem opções de bancos e empresas de crédito

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação

Bancos e empresas de crédito são algumas das empresas presentes entre as small caps (SMLL) do setor financeiro. Além disso, há uma resseguradora na lista. Em resumo, as small caps do setor financeiro são opções para quem busca investir nessa área tão abrangente e relevante.

Entre as companhias listadas, de um total de oito, a que tem maior peso é o IRB Brasil RE (IRBR3). Além disso, surgem outros nomes conhecidos como os bancos BMG (BMGB4) e Pan (BPAN4), novo nome do antigo banco Panamericano. Há também uma instituição regional, o Banrisul (BRSR6), com forte presença no sul do país.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

Enfim, são diversas as opções dentro deste segmento que podem fortalecer as carteiras de investimentos. Então vamos conhecê-las!

Conheça as small caps (SMLL) do setor financeiro

IRB Brasil RE (IRBR3)

O IRB Brasil RE (IRBR3), antigo Instituto de Resseguros do Brasil, é uma ex estatal com ações negociadas em bolsa. É considerada a maior companhia de resseguros do Brasil. Na prática, este tipo de empresa atua para ser uma espécie de garantidora das próprias seguradoras.

A União não possui mais ações ordinárias (ON), sendo estas vendidas em bolsa, mas possui a totalidade dos papéis preferenciais (PN). Quanto às ações ON, a maior parte delas – 71,73% – está negociada a outros investidores em bolsa. A Bradesco Seguros possui 15,78% e a Itaú Seguros outra fatia de 11,51%. Por fim, as ações de tesouraria somam 0,99%. No total, a empresa tem 1,2 bilhão de ações negociadas no mercado.

Embora seja uma empresa de porte, a IRB Brasil RE registrou prejuízo líquido de R$ 1,5 bilhão no ano passado ante um lucro líquido de R$ 1,2 bilhão do ano anterior.

Cielo (CIEL3)

Já a Cielo (CIEL3) é listada na B3 como uma empresa prestadora de serviços de adquirência e meios de pagamento. É responsável pela venda das máquinas de cartões de crédito e débito que levam seu nome.

A maior parte das ações da empresa (40,94%) está nas mãos de outros investidores na bolsa. Em seguida, a BB Elo Cartões Participações e a Columbus Holding possuem, cada uma, 28,65% de participação na composição acionária. Já a Tempo Serviços detém ainda 1,41%. Por fim, ações de tesouraria correspondem a 0,36% dos papéis da companhia. No total, a Cielo tem 1,1 bilhão de ações em circulação na bolsa.

Durante o ano de 2020, a empresa acumulou prejuízo líquido de R$ 347 milhões ante R$ 1,7 bilhão de lucro do ano anterior.

Banco Pan (BPAN4)

Antes conhecido como Banco Panamericano, a instituição que trabalha principalmente com com crédito passou por uma reestruturação. Hoje leva o nome de Banco Pan (BPAN4). Na B3, é listado como banco múltiplo com carteira comercial.

Possui ações ordinárias (ON) e preferenciais (PN) negociadas. Com relação aos papéis ON, o BTG Pactual (BPAC11) é um dos dois acionistas, com 50,81% dos papéis. O governo, por meio da Caixa Participações com 49,19% de participação, detém a outra fatia.

As ações PN estão mais pulverizadas. Em circulação com outros investidores estão 44,27% dos papéis. Em seguida, o BTG detém 39,41% da companhia. O restante são acionistas minoritários, como o Gic Private Limited (6,52%), Silvio Tini de Araújo (5,80%) e Bonsucex Holding, com 4%. No total, o Banco Pan tem 341 milhões de ações em circulação.

No ano passado, a companhia conseguiu reverter o prejuízo de R$ 110 milhões, obtido em 2019, para um lucro de R$ 20,6 milhões.

Banrisul (BRSR6)

O gaúcho Banrisul (BRSR6) tem uma forte presença na região sul do país. É um banco múltiplo atuante nas carteiras comercial, crédito, financiamento e investimento, crédito imobiliário, desenvolvimento e arrendamento mercantil e de investimentos.

As ações estão distribuídas em papéis preferenciais ordinárias (ON) e preferenciais (PN). Das ações ON, a quase totalidade das ações – 98,13% – permanecem nas mãos do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Já a fatia restante, de 1,87%, é negociada em bolsa.

Por outro lado, nos papéis PN a ordem se inverte. Quase todas as ações – mais precisamente uma fatia de 97,59% – estão distribuídos a outros investidores em bolsa. A LSV Asset Management possui 5,04% deste tipo de ação, por exemplo. E o governo gaúcho, uma participação minoritária de 0,37%. O Banrisul tem 206,9 milhões de ações negociadas em bolsa.

Em todo o ano passado, o banco acumulou lucro líquido de R$ 619,8 milhões. No ano anterior o lucro líquido da companhia foi de R$ 1,269 bilhão.

ABC Brasil (ABCB4)

O Banco ABC Brasil (ABCB4) tem por objetivo a prática de operações ativas, passivas e acessórias inerentes às respectivas carteiras autorizadas pelo Banco Central.

A exemplo de outros small caps do setor, também tem seus acionistas divididos em papéis ON e PN. Das ações ON, a Marsau Uruguay Holdings detém 95,95% dos papéis. A fatia restante, de 4,06%, está nas mãos de outros investidores em bolsa.

Quanto aos papéis PN, a maior parte – 66,77% das ações – é negociada para outros investidores em bolsa. A Marsau possui 23,85%, seguida por Una Capital, com 5,04%. Ações de tesouraria respondem por 4,34% dos papéis. No total, existem 70,5 milhões de ações negociadas no mercado.

No ano passado, o banco registrou lucro líquido de R$ 322,1 milhões ante um lucro líquido recorrente de R$ 489,1 milhões.

Valid (VLID3)

A Valid Soluções (VLID3) tem sua atividade principal listada como impressão de documentos de segurança. Uma de suas subsidiárias é a BluePay.

A maior parte das ações da empresa – 56,14% – está distribuída a outros investidores em bolsa. No quadro societário ainda há Alaska Asset Management, com 25,97%; a Cape Ann Asset Management, com 10,07%; e a 4um Gestão de Recursos, com 5,48% do capital social. Assim, ações de tesouraria respondem por 2,34% dos papéis. No total, existem 78,5 milhões de ações em circulação no mercado.

No acumulado de 2020, a empresa registrou prejuízo líquido de R$ 201,6 milhões contra um lucro líquido de R$ 53,7 milhões.

Wiz (WIZS3)

Entre as small caps de seguros está a Wiz (WIZS3). Tem como atividade principal a corretagem de seguros de todos os ramos, assessoria e consultoria na área de seguros em geral, entre outros.

No quadro societário da companhia, a maioria das ações – 48,63% dos papéis – está distribuída a outros investidores em bolsa. A Integra Participações possui mais 26,37% dos papéis da companhia, e a Caixa Seguros Holding, mais 25%. No total, há 77,7 milhões de ações da empresa em circulação no mercado.

Quanto aos resultados financeiros, a Wiz obteve lucro líquido de R$ 199,5 milhões no acumulado de 2020. No ano anterior, a companhia acumulou lucro de R$ 223,6 milhões.

Banco BMG (BMGB4)

O Banco BMG (BMGB4) também está presente nas empresas listadas como small caps. Em resumo, opera principalmente com crédito para pessoas físicas e possui 90 anos de operação no mercado.

O quadro de acionistas da companhia é bem pulverizado, tendo diversos acionistas individuais. Além disso, possui tanto em ações ON quanto em PN.

Entre os papéis ON, a BMG Participações possui a maior fatia, de 38,61%. Em seguida, as empresas Rivage Participações, Água Boa Participações e São Judas Tadeu Participações e os empresário João Annes Guimarães, possuem cada um uma participação de 12,89%. Já a Noma Participações detém ainda 4,93% da empresa e a CSMG Participações têm outros 4,21%. Por fim, para outros investidores em bolsa estão distribuída uma fatia minoritária de 0,71%.

Com relação aos papéis PN, a maior parte deles, que é uma fatia de 37,16%, está com outros investidores na bolsa. Em seguida, a CSMG Participações é dona de 17,65%, enquanto a Legacy Capital Gestora de Recursos detém 10,93% destes papéis. Rivage Participações, Água Boa Participações, São Judas Tadeu Participações e Noma Participações detém cada uma 4,70%. Os empresários João Annes Guimarães e Flavio Pentagna Guimarães possuem, respectivamente 4,70% e 2,54%. Por fim, ações de tesouraria correspondem a 1,88%. No total, a BMG tem distribuída no mercado, 106,9 milhões de ações.

Entre janeiro e setembro do ano passado, a instituição financeira registrou lucro líquido de R$ 249,3 milhões ante um lucro de R$ 227,9 milhões do ano anterior.

Estude e compare seus investimentos em FIIs

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado