Em tempos de pandemia, conheça as small caps do setor de saúde

Matheus Miranda
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Planos de saúde perdem clientes na pandemia

Em tempos de pandemia, ouvimos falar muito sobre o setor de saúde. Você sabia que é possível investir em small caps de saúde na bolsa? Há ações de empresas desde Fleury (FLRY3) até Qualicorp (QUAL3). As companhias têm o maior peso entre as companhias listadas.

É um dos setores com menos empresas. No total, são apenas cinco companhias listadas, mas que são em sua maioria, conhecida do público investidor, o que ajuda na hora do investidor escolher uma ação para investir.

Além disso, o segmento saúde, um serviço essencial, é sempre demandado pela população em geral oferecendo menos riscos. Muitas vezes as companhias têm entregas consolidadas aos seus clientes.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Conheça também small caps de outros setores:

Conheça as small caps de saúde

Qualicorp (QUAL3)

A Qualicorp (QUAL3) é uma empresa que presta serviços e gestão de benefícios de assistência à saúde.

A maioria das ações estão sendo vendidas em bolsa, representando 68,34% do total de papéis. No entanto, a Rede D’or São Luiz é o maior acionista individual, com 15,43% das ações, seguida pelo fundo Pátria Investimentos, que detém 10,54%. A Opportunity Asset Administradora de Recursos de Terceiros possui mais 5,55% e ações de tesouraria, respondem por 0,14% do total. Estão em circulação 283,4 milhões de ações da empresa.

Entre janeiro e novembro do ano passado, a companhia reportou lucro líquido de R$ 326,1 milhões, maior do que os R$ 312 milhões do mesmo período do ano anterior.

Fleury (FLRY3)

A Fleury (FLRY3), que atua com laboratórios e medicina preventiva, está enquadrada em dois tipos de atividade principal: prestação de serviços médicos e medicina diagnóstica, e consultoria, assessoria, cursos e palestras na área da saúde, bem como a prestação de serviços que visem a promoção de saúde.

A maior parte de suas ações – 57,72% – são negociadas em bolsa, além da Bradseg Participações, que possui fatia de 22,09%. O restante está distribuído em pequenas participações em diversos acionistas individuais, cujas participações não passam de 1,94%, como é o caso do empresário Rui Monteiro de Barros Maciel, que faz parte do corpo clínico do laboratório. Estão em circulação, 303,8 milhões de ações.

A empresa obteve no ano passado lucro líquido de R$ 256,9 milhões contra R$ 312,3 milhões do ano anterior.

Odontoprev (ODPV3)

A Odontoprev (ODPV3) é uma empresa que atua no ramo de planos odontológicos. Atende empresas, pessoas físicas e dentistas, em um modelo de negócio semelhante a um plano de saúde.

A Bradesco Saúde é a maior acionista, com 50,01% das ações. Outra fatia de 39,54% estão distribuídos entre demais investidores. Já a Invesco e a Genesis Investment Management possuem participação de 5,26% e de 5,02%, respectivamente. Estão em circulação, 263,4 milhões de ações.

No acumulado de 2020, até setembro, a empresa reportou lucro líquido de R$ 276,1 milhões contra R$ 214,1 milhões do mesmo período do ano anterior.

Instituto Hermes Pardini – IHPardini (PARD3)

O Instituto Hermes Pardini (PARD3) também está no grupo de small caps de saúde. Tem como atividade principal a prestação de serviços de medicina diagnóstica. Possui laboratórios de exames e medicina diagnóstica.

A maior parte das ações, sendo uma fatia de 33,64%, está negociada em bolsa, enquanto a maioria é detida por membros da família que dá o nome à empresa. É o caso de Regina Pardini, que possui 21,60% dos papéis da companhia, ao passo que Victor Cavalcanti Pardini e Áurea Maria Pardini possuem 21,58% cada um. Ações de tesouraria representam 1,61% dos papéis. Estão em circulação, 43,6 milhões de ações.

Alliar (AALR3)

Atuar em medicina diagnóstica, também é a atividade principal da Alliar (AALR3), que também possui laboratórios de exames.

Distribuídas na bolsa estão 43,77% das ações e fundos como o Brazilian Private Equity Fund possui 21,63% de participação. O Fundo de Diagnósticos Para O Brasil possui 1,72% de participação e o Pátria Economia Real possui 0,71%. O Brasil Private Equity fica com 0,67% dos papéis. Sérgio Tufik possui 18,18% dos papéis da empresa, ao passo que Roberto Kalil Issa tem mais 13,33%. Estão em circulação, 46,7 milhões de ações.

A empresa registrou nos nove primeiros meses do ano passado reportou prejuízo líquido de R$ 107 milhões contra lucro de R$ 40 milhões.